Amor Myself

Pequenos Escritos V

15/09/2009

big2

As paixões são fodidas. E você sabe que chegou ao final da história – with no happy end – quando fala com uma naturalidade que antes era nervosismo. “Tudo bem, quanto tempo“. Bancando a absoluta, ardida por dentro. A taquicardia se transforma numa sobrancelha levantada com desdém. “Ah, tá”. Blasè total, e as paixões se importam, frenéticas. Tentei, tentamos, e a grande merda da vida é ter que lidar com aquilo que não rolou de acordo com o nosso script fantasioso. Na minha cabeça você era uma espécie de redenção. Todos os atributos, todas as qualidades. But, faltava algo. Faltavam mil coisas, detalhes mínimos, palavras certas. Eu te inventei, criação minha, meio delírio. Happy end é brabo: as pessoas crescem para os lados, se afastam, rotina, costume, tédio. Novos desejos, vontades, idéias. No fim, é bom poder sentar num banco e rir, tirar um sarro de tudo que deu errado, fazer o quê? Mas, cá entre nós, é muito triste rir de algo que podia ter sido. Podia ter sido. E não foi.

Seja o primeiro a amar.

Você também poderá gostar

24 Comentários

  • Responder Janaina 15/09/2009 at 1:32 pm

    Você tem um “quê” de escritora que eu adoro =)

  • Responder Beatriz Saltarelli 15/09/2009 at 1:40 pm

    Paula,
    Você é sem noção!! Parece que advinha o que estou sentindo!!
    Tô sem palavras para comentar…

  • Responder Je romanciuc 15/09/2009 at 1:44 pm

    qdo eu parar de chorar direi que é fabuloso!

  • Responder Carolina 15/09/2009 at 1:52 pm

    Você tem um “quê” de escritora que eu adoro =) [2]

    aguardando por um livro teu hein!!!

  • Responder Ana Carla Araujo 15/09/2009 at 2:01 pm

    Amei!!!
    bjoks

  • Responder Maria Leopolda 15/09/2009 at 2:07 pm

    Amo tudo que você escreve!
    =D

  • Responder Luiza Rosa 15/09/2009 at 2:21 pm

    Ameeei! Investe na carreira, dona Paula, investe!

  • Responder alda 15/09/2009 at 3:02 pm

    Lindo texto!! como sempre… realmente é estranho um sentimento que antes mexia com cada centimentro do teu corpo, com o passar do tempo simplesmente desaparecer, tal como uma febre que vem queimando e depois acaba.
    bjo

  • Responder Adriana Mattedi 15/09/2009 at 5:11 pm

    Meu coração andava fechado, não queria me apaixonar, mas a gente não espera, acontece, agora é esperar as cenas dos próximos capítulos, paixão é assim, espero que passe, mas que a novela tenha final feliz…bjs

  • Responder Mariana Lehnen 15/09/2009 at 5:43 pm

    Oi Paula!

    E fica a pergunta: que graça teria se tudo saísse conforme planejamos?
    Não teríamos experiências, às vezes, surreais pra contar, talvez não tívessemos tantos amigos, talvez não tivéssemos conhecido alguns lugares e por aí vai.
    A graça é por tentar, errar e começar tudo de novo!
    Um beijo.

  • Responder Cátia Susane 15/09/2009 at 7:14 pm

    Tu eras também uma pequena folha
    que tremia no meu peito.
    O vento da vida pôs-te ali.
    A princípio não te vi: não soube
    que ias comigo,
    até que as tuas raízes
    atravessaram o meu peito,
    se uniram aos fios do meu sangue,
    falaram pela minha boca,
    floresceram comigo.

    Pablo Neruda

    beijos Paulaaa

  • Responder Ale Vernier 15/09/2009 at 7:31 pm

    Guria!!! Tu tem que reunir estes teus lindos alfarrabos em livro!! Vai dar o que falar… lindoooo, magnífico 😉

    Bjoo

  • Responder vivie 15/09/2009 at 10:29 pm

    esse mr Big fazendo história… e dando post! e a vogue, já leu? bisous.

  • Responder Dêssa Hanna 16/09/2009 at 2:29 am

    adorei o texto *-*

  • Responder myownscrapbook 16/09/2009 at 5:30 am

    Paula,
    Eh seu esse texto?
    Nossa.. Muito bom!
    Engracado como voce so escreve/posta textos que tem a ver comigo e principalmente com meu momento atual.
    Impressionante!
    Bjos pra vc!

  • Responder Elo 16/09/2009 at 1:56 pm

    A d o r o esses seus escritos, são ótimos!

    beijão :*

  • Responder Carol Montai 16/09/2009 at 3:00 pm

    Compositor de destinos
    Tambor de todos os rítmos
    Tempo tempo tempo tempo
    Entro num acordo contigo
    Tempo tempo tempo tempo…

    Caetano – Oração ao tempo

    ___
    Adooooro, Paula…
    Muitos beijos!

  • Responder 16/09/2009 at 6:33 pm

    é … esperamos demais do outro … das situações…. fantasiamos demais….

    o bom é deixar rolar ….

    bjos*amei o texto 🙂

  • Responder * Gabi Girlie * 16/09/2009 at 7:50 pm

    Você tem um “quê” de escritora que eu adoro =) [3]

    Super me identifiquei com esse teu texto: ‘ quando fala com uma naturalidade que antes era nervosismo. “Tudo bem, quanto tempo“ ‘

    Parabéns Paula!

    Beijos!
    =)
    Gabi

  • Responder Letícia S. 16/09/2009 at 11:46 pm

    Essa última frase é a melhor, pq toda vez q vejo algo lega q se desfez eu penso assim: “Podia ter sido. E não foi.”…. e isso é tão frustrante!!!

  • Responder Camila Martins 20/09/2009 at 11:56 pm

    Vejo um futuro próximo, chorei. Lindo, beijos.

  • Responder Cristhine 21/09/2009 at 3:17 am

    Lágrimas vindas dos olhos e da alma…..

  • Responder PaulaF 27/09/2009 at 6:22 pm

    Você é uma delicadeza…não deveria escrever com palavrões… 🙁

  • Responder Priscila Pasquali 13/04/2010 at 10:46 am

    “Tentei, tentamos, e a grande merda da vida é ter que lidar com aquilo que não rolou de acordo com o nosso script fantasioso”

  • Deixe seu comentário