Amor Myself Pequenos Escritos

Pequenos escritos II

10/12/2008

[…]Como seria tão bom se pudéssemos nos relacionar sem que nenhum dos dois esperasse absolutamente nada, mas infelizmente, insistirás, infelizmente nós, a gente, as pessoas, têm, temos – emoções. Meditarias: as pessoas falam coisas, e por trás do que falam há o que sentem, e por trás do que sentem há o que são e nem sempre se mostra(Limite branco, Caio F)

 

 

– Você tem um cigarro?
– Estou tentando parar de fumar.
– Eu também. Mas queria uma coisa nas mãos agora.
– Você tem uma coisa nas mãos agora.
– Eu?
– Eu.  (Morangos Mofados, Caio F)

 

 

Fantasias. Delírios. E desejos. Para falar de amor, só assim. São tantos descaminhos, ruelas escuras e a estrada quase infinita da solidão. Até que aparece o cume da montanha, lá no fundo, lá no alto, branquinho e convidativo, e você olha e pensa: “To indo”. E aquele medo insano de pisar com toda força no acelerador se dissipa. Vem a coragem. A certeza. C-E-R-T-E-Z-A. Precisei dela por tanto tempo. Agora, tenho. Estamos enredados. Já percebi. Foi o momento exato. A hora certa. Número 7: magia, beibe. Me seduziu, tão dinâmico. Português impecável. Olhar tranquilo. Jeito doce, de pessoa simples. Ligou alguma coisa aqui dentro, quando já achava que meu coração havia virado uma daquelas máquinas de misturar cimento, sabe? Duro. Doído. Mas não. Vou com fé, acredito no invisível. Nos sinais. Basta estar quietinha, prestando atenção. Como aquela vez, tempão atrás. Eu tonta, almoçando num restaurante aonde nunca ia. Quando vejo, ele passa. Começo de outono, vento gelado. Usava um blazer escuro, todo lindo. Verde musgo? Foi o caminhar desengonçado que me pegou. De jeito. De vez. Parecia sério, mas não bem sério, daquele tipo cheio de receios. Parecia mais do tipo sou-bem-sozinho-embora-não-pareça-pode-chegar-perto-que-não-tem-problema. E naquele segundo em que meu olhar encontrou o dele, eu soube. Socorro, pensei. Que faço agora? Difícil contemplar tudo aquilo que pode ser. Porque você quer que seja, você tem fé. E sorri pensando em como pode ser bonito. Só que a espera dá agonia, tira o juízo. Te enche de dúvidas e medos. Bobagem. Script escrito. Falta o filme. O ator principal. Não importa mais o passado. Cicatrizes, memórias. Os tombos e as lágrimas ficaram pra trás. A gente deseja tanto nas noites frias e nas madrugadas de céu estrelado que apareça alguém e nos pegue, nos leve, nos ame e conforte. Deixa eu te levar? Prometo ser toda cuidadosa com teu coração. Me busca elegante, dourado, súbito. Chega perto, dá um jeito. Cedo aos teus impulsos e aos teus chamados. Juro. Vem?

 

Seja o primeiro a amar.

Você também poderá gostar

17 Comentários

  • Responder Juliana 10/12/2008 at 9:23 am

    meu deus, speechless.

  • Responder alda 10/12/2008 at 11:35 am

    caramba tô meio zonza c/ esse texto, realmente a vida mostra sinais e esse texto é um deles, enquanto lia pensava: “é examente por isso que tô passando” meu Deus acho que muitas fichas cairam, loco isso né? preciso digerir tudo isso…
    bjinho

  • Responder Daiana 10/12/2008 at 11:45 am

    Noooooooooooosa!!! Meu Deuuusss que texto M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O foi por textos assim que me apaixonei pelo seu blog, dá pra sentir sua alma lendo ele, estou quase chorando, nooosa muito lindooooo!!
    BJOKS

  • Responder Carla 10/12/2008 at 3:52 pm

    SÓ UMA COISA…..
    A-M-E-I

    bjos…… cá

  • Responder Juliana 10/12/2008 at 5:05 pm

    hmm, xonou! hehe
    faz teeempo que não me encanto tanto assim com um homem…
    quase 1 ano com a mesma pessoa… acho que é normal né… =/
    boa sorte!

  • Responder camila barbosa 10/12/2008 at 6:17 pm

    ai, MARA como sempre.. oq dizer?

    esse último eh do abreu tbm? nossa, super me identifiquei.. meu deus!

    beijoss paulinha

  • Responder Lou 10/12/2008 at 10:19 pm

    O que me choca é o quanto você escreve bem. Não sei se isso é ficção ou realidade, no entanto, não importa, segura na mão dele e vai=)
    Beijos montes
    Lou

  • Responder Groupie 11/12/2008 at 12:06 am

    tremendo filho da puta de sorte esse!

  • Responder Ana 11/12/2008 at 12:09 am

    Paula, vc me arrepia com seus escritos…

  • Responder Marcia 11/12/2008 at 12:14 am

    Não sei o que é mais lindo: o texto, ou a foto.
    Conta pra gente onde fica essa estrada,sweetie.

  • Responder 11/12/2008 at 12:19 am

    Concordo com a Lou.
    nao importa se é ficção ou realidade pq eh lindo d+, quem lê sente toda a intensidade do texto.
    E eu tb quero saber onde fica essa estrada da foto, paulita.

  • Responder Carmen 11/12/2008 at 12:22 am

    “A gente deseja tanto nas noites frias e nas madrugadas de céu estrelado que apareça alguém e nos pegue, nos leve, nos ame e conforte. Deixa eu te levar? Prometo ser toda cuidadosa com teu coração.”

    Paulinha, de onde tu tiras inspiração para escrever essas coisas incríveis?????

  • Responder Helô 11/12/2008 at 1:17 am

    Foto incrível!!!
    De quem, de onde??
    Q estrada é essa??

  • Responder Bruna 11/12/2008 at 1:22 am

    paulinha,senti como se estivesse dentro do carro onde essa foto foi tirada (pelo menos é o que parece, q foi dentro de um carro,posso estar louca),ao lado do cara (real ou fictício) que vc descreveu no texto!
    por isso vou engrossar o coro e perguntar pra vc: onde fica essa estrada deslumbrante?? conta,vai!

  • Responder Angelina Nunes 11/12/2008 at 11:34 pm

    Olha Caio era fantástico, mas vc praticamente o supera..rs..Lindíssimo!!

  • Responder Giovana O. 13/12/2008 at 4:57 am

    Adorei!Sentimento sem pieguice. Coisa que se aprende com o tempo: a maravilhosa capacidade de regeneração do ser humano.Não importa pelo que passe, o coração não endurece, embora possamos achar que sim. Repentinamente, algo acontece, e ele, assim, desmancha no ar.
    Só uma coisa,escreve em letras maiores?Fica tão ruim de ler assim!!
    bjao

  • Deixe seu comentário