Sweetest Things

O famoso e temido feedback

18/12/2014

coaching1

Recebi esse release, adorei, e vou reproduzir na íntegra pois achei super pertinente e tem tudo a ver com o nosso planejamento do ano novo. Ninguém curte ouvir críticas na cara dura, não é mesmo? Muitas de vocês são donas do próprio negócio, têm funcionários, passam por isso, ou então estão do outro lado e precisarão ouvir o feedback do chefe. Críticas construtivas só ajudam aqueles que estão abertos a elas, e a verdade é que é bem difícil para qualquer pessoa ouvir que o seu trabalho tem pontos fracos ou que deve melhorar mais – mas qualquer profissional que se preze precisa ter maturidade suficiente para ouvir, captar e transformar o feedback em mudança de atitude. Aliás, sempre quis conversar com um coach sobre minha vida profissional e ainda não tive oportunidade. Alguma de vocês já fez isso? O que acharam?

‘O dia do famoso “feedback” chegou. João chega a seu trabalho ansioso, nervoso, e muito tenso. Sabe que aquele é o dia de conversar com o líder imediato e receber o famoso “feedback”. Todos da equipe passam por isso e se sentem mal e desconfortáveis. Mário, o líder, chama João até a sala e começa: Bom dia João, tudo certo? Então vamos lá, você sabe que tenho orgulho de tê-lo em meu time, você é atencioso, prestativo e criativo, mas… E por aí desenrola a conversa.

Esse ”mas” é o que dá o calafrio e deixa o feedback desmotivador e pesado. A Coach Cibele Nardi enfatiza que o feedback surgiu para orientar, sinalizar, estimular e motivar a pessoa para que continue no caminho certo atingindo seus objetivos e metas. “Existem dois tipos de feedbacks: o positivo e o negativo. O líder precisa ter muito cuidado, pois o negativo pode traumatizar e ferir a autoestima da pessoa”, afirma. Outro ponto importante é sobre o ouvinte, este que recebe o retorno deve saber ouvir, analisar e refletir a opinião do outro. “Não se pode levar nenhum feedback para o lado pessoal e sim profissional. O melhor que a pessoa tem a fazer é ouvir e se autodesafiar para ver se aquilo é verdade ou não”, complementa. O líder deve pensar em motivar o outro e nunca culpá-lo e julgá-lo por algo errado que possa ter feito. Cibele reforça que o grande erro é colocar o funcionário à prova de fogo. Tudo deve ser falado não para expor e atingir o outro e sim buscar soluções juntos.

A coach ressalta que o feedback positivo irá sempre motivar a equipe para continuar seguindo em frente, já o negativo acaba com a autoestima e a equipe vai se sentir desvalorizada e desmotivada. “A crítica deve existir, porém é importante que a conversa comece com pontos positivos passe para os negativos e finalize com os positivos e projetos futuros”, revela. Pessoas felizes e realizadas com o que fazem conseguirão melhores resultados sempre, tanto para a empresa como para si mesmas.’

12 amaram.

Você também poderá gostar

Nenhum Comentário

Deixe seu comentário