Dicas de viagem Viagem

Menton: mezzo italiana, mezzo francesa e escondidinha na Côte D’Azur

06/08/2012

Eurotrip sem praia, pra mim, não dá. Ano passado fiz um mix de Grécia com Côte D’Azur, esse ano o mix foi entre San Sebastián-Biarritz e Menton. Fiquei uma semana nessa cidadezinha que está a 8km de Mônaco e quase na Itália. A recepção na chegada não foi das mais amigáveis, culpa de um taxista pirado que começou a chutar escandalosamente nossas malas porque perguntei se podia pagar a corrida com uma nota de 500 euros – nem me dei por conta que não tinha $$ trocado, acontece. Passado o susto-beirando-o-ataque-cardíaco, nosso hotel era um amor. O Hotel de Londres fica na rua atrás da avenida beira-mar e tem quartos extremamente confortáveis para os padrões franceses (leia-se ar condicionado novo, banheiro enorme, cama box, wi-fi potente, tv de plasma). Honestamente, o que mais me interessava era a proximidade com a Itália; fiz muitos planos mentais sobre almoçar na França e jantar em solo italiano. 🙂

 

A primeira coisa que notei ai chegar foi a quantidade imensa de aposentados que moram na cidade. Pensava que fosse impossível uma cidade superar Nice nesse quesito, e me enganei. Quem vai pra Côte D’Azur pela primeira vez, especialmente se estiver com expectativas de gente jovem, linda, sarada e glamourosa, leva um sustinho. Os idosos de Menton têm uma vitalidade que me fez repensar tudo o que eu tinha como certo sobre a velhice. Imagine um senhor de 90 anos andando de patins à beira-mar? Nós vimos! Imagine senhoras de 90 anos fazendo topless na praia? Nós vimos! Imagine grupos de senhores de 80 e tantos anos fazendo cooper no maior solaço? Lá tinha! Pense em senhoras de andador fazendo compras sozinhas no supermercado! Pois é! Minha vó ficou até com vergonha de ficar reclamando de cansaço e dorzinha aqui e ali depois de presenciar todas essas cenas…

O “Tio Google” conta que, de acordo com uma lenda local, Eva foi a primeira a experimentar o delicioso clima de Menton. Quando ela e Adão foram expulsos do Jardim do Éden, ela trouxe de lá um limão e o plantou em Menton – e até hoje os limões crescem em profusão na cidade, tanto que a todo ano acontece a Fête du Citron durante duas semanas em fevereiro.

Menton está virando hype na Côte D’Azur. Antes de chegar lá, comprei uma Elle Espanha em Madrid e li uma matéria que a colocava entre os top-secret destinos da Riviera Francesa. Você não vai ver peruas mocréias caminhando com salto agulha de 12cm nas pedras como vê em St Tropez e Cannes; não vai precisar engolir a ostentação cruel (e quase agressiva) de Mônaco e arredores. O mood de Menton é relaxado. As pessoas não se montam pra ir pra rua e o número de turistas é mínimo de comparado a qualquer outro lugar da Riviera Francesa. Isso conta muitos pontos!

 

A diversão fica no centrinho da cidade, onde encontramos uma loja sensacional especializada em mel – tinha até hidromel pra vender. As lojinhas de souvenir ficam concentradas ali, e é difícil resistir à tentação de comprar savon de Marseille e eau de citron. A vista mais bonita de Menton fica em frente à Basílica de São Miguel Arcanjo, de frente para o mar, lá do alto. De tirar o fôlego.

 

Quem gosta de jogo pode se esbaldar no Cassino Barrière

…quem gosta de bater perna vai encontrar quilômetros de belezura!

Eu não fui, mas um passeio que dizem ser imperdível é o Museu Cocteau. Jean Cocteau já era trendsetter no tempo do Ariri Corneta hein? 🙂

 

 

Recomendo o Hotel de Londres pelo conforto e pelo preço – se não me falha a memória, o quarto triplo ficou na casa dos 150 euros por dia. Quem quer luxo tem que cacifar um hotel com piscina e vista pro mediterrâneo, no alto das montanhas, com o inconveniente de ficar afastado do mar. O lounge do nosso hotel era super agradável, cheio de sofás e mesinhas, e à noite funciona um barzinho até altas horas. Dá pra sentir, pedir um drink e umas azeitonas e ficar curtindo a brisa.

 

 

O melhor restaurante de Menton, na minha opinião, é o Le Gambas Rouge, um italiano afastado do centrinho. Só nele encontrei comida boa, com preço ótimo e tive uma refeição feliz. Ali, a parte mezzo italiana fez a diferença!! Nos outros que fui o esquema era francês: uns 20 euros pra comer batata frita e um plat du jour fuleirinho. Uma boa dica é se abastecer no Carrefour, onde há uma infinidade de queijos e vinhos de tontear qualquer um, e de vez em quando comer no próprio hotel. Como nosso quarto tinha uma sacada supimpa, em alguns dias montamos um ‘restaurante’ ali mesmo e nos fartamos de coisa boa.

 

Encheu o saco dos franceses? É só pegar o trem e chegar em Ventimiglia em 10 minutinhos – e na hora de voltar, se for comprar bilhete de trem na maquininha, procure por Vintimille. Travei um embate com a máquina procurando Ventimiglia que só Deus sabe. 🙂

A coisa mais divertida para se fazer nessa cidadezinha da Liguria é entrar sem pressa nas dezenas de mercadinhos locais e sair deles abarrotada de temperos. Trouxe algumas embalagens de Spaguetatta que uso com a maior parcimônia, vou chorar litros  quando elas acabarem. Descobrir restaurantes italianos escondidos frequentados só pelos locais é outro belo esporte. O mercado público de Ventimiglia é o sonho de consumo de todo cozinheiro, embora um turistinha de ocasião não ache muita graça, até porque quarto de hotel equipado com cozinha por estas bandas, xobrabo. Difícil é não se encantar por essa terra. Os italianos gesticulando alucinados e berrando ajudam muito para que isso aconteça.

O caminho de Santiago de Compostela passa por aqui, mais especificamente, pela ponte…

…que está cheia de cadeados de Amore Eterno! ♥♥♥

 
O mar é bravo e tem uma mistura de tons inesquecível. Sinceramente? Dá vontade de largar emprego, cachorro, marido, filho, família e o escambau, chutar o balde e montar uma barraca na beira da praia aqui mesmo. E esquecer da vida por uns seis meses. Ou mais. Ah, não esqueça de tomar um legítimo café espresso antes de voltar pra Menton.

 

A melhor coisa para se fazer estando em alguma praia do mediterrâneo é curtir esse mar de águas morninhas. Sim, vamos abstrair os pedregulhos. Foco no azul turquesa e na sensação de paz que ele traz.

Algumas dicas boas da Côte D’Azur:

  • Outros locais paradisíacos por perto são a Plage de Pampellone (em Saint Tropez), Iles de Lérins (Ste-Marguerite & St-Honorat) e Ile de Porquerolles (Hyères). Em Pampellone o pessoal fica peladão na praia, só pra avisar! 😉
  • Perto de Mônaco, vá a Eze, cidadezinha linda e pitoresca. Busque o La Chèvre D’Or e o Château Eza. Não deixe de ir à perfumaria Galimard e fazer o seu próprio perfume personalizado com a ajuda de especialistas no assunto;
  • Em frente a Cannes, há duas lindas ilhas: Lérins (Sainte Marguerite e Saint Honorat). Vinte minutos de barco e você chega lá, onde encontra muitas flores, árvores raras e um dos mais antigos mosteiros europeus;
  • Saint Jean Cap Ferrat é considerado o melhor lugar da French Riviera (fica entre Nice e Mônaco) e tem um hotel maravilhoso chamado Le Grand Hotel du Cap ;
  • Antibes/Juan les Pins: Antibes tem um antigo castelo, ruazinhas pequenas, o Museu Picasso (Picasso viveu vários anos lá no final da vida); Juan Les Pins é mais um resort com praias e árvores (Scott Fitzerald e sua mulher tinham uma casa lá, que agora é um hotel charmoso chamado Hotel Belles Rives);
  • Em Cap D’Antibes fica o hotel considerado por muitos o melhor da Côte D’Azur, Hotel du Cap Eden Roc – pra quem já chegou naquela fase ryca da vida na qual pode realizar extravagâncias desse naipe! 😉

Gostaram?

36 amaram.

Você também poderá gostar

8 Comentários

  • Responder candida 06/08/2012 at 12:57 pm

    Amo as tuas dicas! Paris,estava na ponte ..lotada de cadeados! bjooo

  • Responder Carla Wiederkehr 06/08/2012 at 4:08 pm

    Além de estar encantado com este lugar lindo, estou babando com as fotos.
    Uma mais linda que a outra.
    Qual lente tu usou nelas?
    Bj

  • Responder bruna louise 06/08/2012 at 6:21 pm

    ai que vontade de tirar umas férias…

  • Responder Marina 06/08/2012 at 8:00 pm

    Paulinhaaaaa, um sonho é ter você como acompanhante de viagens!!!!!
    Adoro o blog!!

    Beijos

  • Responder Talita 07/08/2012 at 2:20 pm

    Humm..fiquei com mta vontade…mas terei férias em outubro, não sei se o clima lá nesta época vale a pena!!

    Bjos

  • Responder Alessandra Taranto 08/08/2012 at 2:14 pm

    Acho incrível esse clima contagiante dessas pequenas cidades. Dá a sensação de que o tempo pára. Realmente, dá vontade de largar tudo e viver essa paz por um longo tempo. Adorei o post.

  • Responder Bóia Paulista 09/08/2012 at 11:57 am

    Oi, Flor! Tudo bem?

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie – Boia Paulista

  • Responder Scheyla Brustolim 11/08/2012 at 11:35 pm

    Adoroooo mto os teus posts de viagens! Fico babando nos locais, e vai tudo pro meu caderninho de dicas pra uma futura trip 🙂
    bjus

  • Deixe seu comentário

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.