Myself

Hãn??

23/10/2008

Há horas que queria escrever esse post. Na verdade, esperava que a Revista TPM (que adoro) liberasse online a matéria que fizeram sobre mulheres surdas. Li, não gostei (achei fraquíssima e odeio o estereótipo “Ela é tão linda…mas é surda!”) e acabei esquecendo do post. Quem convive comigo sabe que escuto mal. Ao “natural”, não escuto uma série de coisas, como interfone tocando, campainha, alguém me chamando, telefone… Porém, com meus aparelhos digitais, escuto até os passarinhos que cantam atrás de mim na janela do trabalho. Minha deficiência auditiva vem da infância, mas só foi realmente diagnosticada no final da adolescência, e só passei a levá-la a sério no começo desse ano. Explico. Quando comprei meu primeiro aparelho, em1998, não consegui me adaptar, odiava o som robótico, me doía, apitava, era um horror. Usava somente quando precisava messssmo, senão não. Quando comprei o segundo, em 2002, usei direitinho por um tempo porque estava começando no trabalho e achava necessário. Então relaxei e deixei de lado. Só que, esse ano, caiu a ficha. Estava perdendo um monte de coisas. A voz das pessoas que eu gosto, barulho de vento, cachorro berrando, o salto do meu sapato tocando o chão. E porque? Por birra. Quando nos acostumamos com o silêncio, o som é devastador. No início, é super interessante, mas depois enche (muito) o saco. É o povo falando, telefone tocando, alarme de carro, ônibus, barulho de obra, tudo ao mesmo tempo. Quem não é acostumado ao som fica completamente atordoado e não gosta. Mas encontrei um técnico que me deixou super à vontade com meus traumas e me ajudou com o terceiro aparelho (vocês não imaginam o que existe de fonoaudiólogos e médicos charlatões por aí, cobrando fortunas exorbitantes por aparelhos auditivos, tipo R$10 mil ou mais, e depois que você paga, eles não te tratam nem te acompanham como deveriam). Passei a gostar de ouvir!! No início foi até meio esquisito, pois estava desacostumada a uma série de sons, e o cérebro fica tentando entender e desvendar e se atrapalha todo. Eu falo normalmente e leio lábios perfeitamente (até em inglês e um pouquinho em francês!), por isso nem todo mundo imagina que eu tenha esse problema. As vezes acham que sou mal educada e cheia pois passam por mim na rua, me chamam e eu não escuto (deveria existir uma comunidade no Orkut chamada “Sou surdo, não sou mal educado”). Já passei por caaaada situação por causa da deficiência auditiva que vocês nem imaginam. É engraçado. Existem pontos chatos, como por exemplo, não falar ao telefone, ou então estar sozinha em casa e louca de vontade de pedir uma tele-entrega e não ter como fazer isso. Por um tempo, isso me devastou, mexeu comigo, me sentia mal. Mas descobri que EU não me sentia mal, eram os outros que me faziam sentir. Nunca me vi nem me senti como deficiente, mas, para todos os efeitos (até legalmente falando), eu sou. A surdez te tira algumas coisas. Você nunca vai participar de uma conversa em pé de igualdade com o resto dos envolvidos, porque se alguém longe dali falar algo, todos ouvem menos você. Mas a surdez também te dá ferramentas ótimas, como a leitura labial. Cuidado! Se você estiver falando mal (ou bem) de mim a uma longa distância, eu sei o que você está falando só por “ler” a movimentação dos seus lábios (acho isso o máximo). Quem convive comigo adquire uma mania esquisita. Como preciso sempre olhar pra boca das pessoas (mesmo de aparelho, meu cérebro me obriga, é automático), elas se acostumam comigo as olhando enquanto falam e acabam adorando isso. Como resultado, querem que o resto do mundo olhe também, e quem não faz isso acaba parecendo a pessoa mais mal educada da face da Terra. A gente cresce e percebe o tempo que perde com auto-sabotagens inúteis. Quando acontece algo que possa me fazer sentir mal a respeito disso, paro e penso: a surdez é minha, quem não ouve sou eu, quem vai lidar com isso pelo resto da vida também, então os OUTROS que se explodam com sua falta de paciência. Sim, porque nem todas as pessoas têm paciência quando necessário ou são educadas. Tipo, você vai morrer se precisar repetir algo que não entendi? Então, me poupe! Portando alguma “deficiência“, acabamos percebendo o mundo de um jeito bem particular, porque sentimos na pele a emoção de ser DIFERENTE. No início dói, mas é o tipo da dor que te deixa muito forte. E muitas pessoas mostram como são mesquinhas e ordinárias com quem é diferente. Já tive as melhores e as piores experiências com gente boa e ruim desde que passei a vivenciar a minha diferença em sua plenitude. E uma coisa posso dizer: quem é bom de coração, vai ser bom desde o início e nunca vai te fazer sentir mal ou dizer alguma coisa asquerosa e desnecessária. Já ou vi imbecilidades tipo “ela se faz de surda”, “olhei bem dentro dos ouvidos dela e não vi nada demais”, “sim, ela é tão bonita…mas não escuta direito,sabia?”. Podem tentar diminuir uma pessoa pelo que quer que seja, mas jamais por algo sobre o qual ela não tem controle algum. E deficiência é isso gente. Dizem que daqui uns anos o mundo estará (e já está) cheio de gente com deficiências auditivas leves e graves, em função dos Ipod’s da vida no volume máximo. Por isso, cuidado. Audição é saúde,sim.

PS: é esse aparelhinho aí acima, que eu uso. Pequeno notável!

5 amaram.

Você também poderá gostar

33 Comentários

  • Responder Maria Faima 23/10/2008 at 2:17 pm

    Nossa! exatamente como me sinto. Tenho perda auditiva de 75% no ouvido esquerdo e 25% no direito. O que me incomoda é a impaciência das pessoas. ( principalmente do meu marido)que teima em falar comigo quando esta distante.( tipo outro quarto da casa). O resto tiro de letra.

    bjs,

  • Responder Claudia Pimenta 23/10/2008 at 2:19 pm

    oi paula! lindo post! parece realmente difícil conviver com o diferente, né? eu sei bem o que é isso, pois tenho um sinal de nascença no rosto e já passei por poucas e boas tb. mas isto nunca me impediu de nada, mt menos de ser feliz! parabéns pela coragem de expor-se assim; poucas pessoas o fazem. e viva a diferença!!! bjs!

  • Responder Dri - Everywhere 23/10/2008 at 2:28 pm

    Paula, AMEI seu post!
    Eu cresci com uma prima (1o grau, tipo irma) surda, mas nao como voce. Ela era 100% surda, de nascenca. Quando eramos criancas, minha tia levava ela em varios medicos, fono, etc e ela usava aparelho, mas a verdade eh que nunca adiantava nada.
    Sempre me revoltei com pessoas que nao tinha “paciencia” com ela, que acahavam que ela era uma crianca “bruta” por nao entender as brincadeiras, e isso sem falar na gozacao de outras criancas (estudamos no mesmo colegio por muitos anos, minha tia nao gostava de escolda de “deficiente”).
    Em familia sempre fomos todos iguais, e quando menores nao entendiamos o porque das pessoas a tratarem tao diferente, o porque dela ser tao fechada e timida em publico, se com os primos ela era TAO legal!.
    Todos os primos sabiamos falar com sinais, e ateh hoje falo com as pessoas lendo labios! Serio! Acho que por ter que me acostumado com ela (porque pra quem convive com deficientes auditivos tambem le labios, pois fica muito mais facil de entender oque eles falam, jah que o som nao eh igual ao que estamos acostumados).
    Hoje em dia minha linguagem de sinais esta um pouco enferrujada, ateh porque jah nao convivo tanto com ela, mas ainda tenho essa mania fortissima de falar com as maos (nao soh gesticulando, mas sim fazendo simbolos propriamente ditos) e lendo labios, oque acabou me ajudando muito ao estudar outras linguas.
    Ter crescido com ela tambem me fortaleceu muito como pessoa, pois eu via por tudo que ela passava, a maneira com a qual era tratada e isso sempre me incomodou muito. Sempre tivemos um sentimento fortissimo de igualdade e respeito na minha familia, e ai de quem nao tratsse minha prima direito! hahahahah
    Mas isso me vez enchergar desde cedo o quanto o ser humano por ser cruel, e como isso por afetar e danificar o outro.
    Parabens pelo post!
    Bjs
    Dri

  • Responder Laura 23/10/2008 at 2:28 pm

    Querida Sweet Paula,

    entrei hoje pra responder ao post em que vc perguntou pq entrávamos aqui. Entro porque acho uma delícia seu blog, é como se, no meio da tarde, eu pudesse bater um papinho com uma amiga. Entro pq vc é sweet, doce, inteligente, bacana.

    Ai, me deparei com seu post “hã?” e fiquei te achando mais encantadora. Engraçado esse negócio de blog. A gente se sente amiga íntima (eu me sinto sua amiga, juro!) e, de repente, vai descobrindo que a pessoa tem outras características (básicas) que a gente nem podia supor.

    E, pensando nisso, a gente vê que sua deficiência NÃO FAZ NENHUMA DIFERENÇA pra quem é capaz de gostar do que você é, realmente. Surda ou não, vc é uma moça bacana, sensível, que dá vontade de conhecer na vida real.

    Muito pior que a sua deficiência de corpo, eu considero a deficiência de alma de algumas pessoas, que simplesmente são mal educadas porque querem, metidas, maldosas mesmo. Outro dia, alguém entrou no meu blog, como anônimo, só pra deixar um recado: “nossa, bonitona vc? tá mais pra feinha.”

    Sabe? Tudo bem que eu não sou bonitona mesmo, estou mais pra feinha mesmo, pensem o que quiserem. O bonitona, na verdade é irônico, vem de uma expressão, comum pelo menos aqui em Minas Gerais. É quando gente quer puxar a orelha de alguém e diz: todo mundo trabalhando, “e o bonitão ai, à toa”, por exemplo. É meio um jeito de dizer que a pessoa está “se achando”, enfim, não vem ao caso.

    O que me chocou foi o fato de alguém entrar lá só pra falar isso. Ter o trabalho de comentar, só pra me chamar de feia! Fico imaginando, o que leva alguém a ser assim? Que rancor da vida. Ainda mais que eu não posso imaginar quem seja essa pessoa, sabe, acordei e tinha um xingo gratuito no meu blog…

    Mas, faz parte, o mundo é feito de pessoas diferentes e especiais dos jeitos mais diversos. Fico feliz de que sua surdez não te faça uma pessoa amarga, mas, ao contrário, uma sweet sweet person, como tenho certeza que vc é.

    Obrigada!

    Laura H

  • Responder Paula 23/10/2008 at 2:28 pm

    não te conheço muito bem, mas por tudo que já li aqui no blog, esse probleMINHA parece ser bem pequeno mesmo diante das inúmeras qualidades e habilidades que vc parece ter, não?

  • Responder Lívia 23/10/2008 at 2:29 pm

    nossa,eu me identifiquei mto!
    nao tenho deficiencia comprovada,mas tenho bastante dificuldade pra escutar vozes abafadas ou baixas d+.ja fiz ate exames pra ver se tinha algum problema,mas nunca dava nada…
    fato eh q eu vivo pedindo pras pessoas repetirem pra mim,ja estou tao acostumada q as vezes eu entendo e mesmo assim pergunto “que??”.chega a ser engraçado…
    e paula,uma coisa q vc falou tem mto a ver com um “lema” da minha vida:ng tem o direito de te fazer sentir mal sem o seu consentimento.
    bjs!

  • Responder Cris 23/10/2008 at 2:55 pm

    Nossa, que post forte! Parabéns a você que encara isso da melhor forma possível. Realmente é o tipo de coisa que faz a gente se sentir mal no começo, mas depois só fortalece!!!
    ODEIO gente preconceituosa. Tenho nojo. Essas pessoas são dignas de dó, somente isso!

    bjos

    Cris

  • Responder camilaviegas 23/10/2008 at 3:04 pm

    Olá, Paula! Parabéns pelo post, maravilhoso, forte, sincero.
    Vim responder o “Who are you?”, porque eu sou de Cuiabá – MT, e não sei se vc tem outras leitoras daqui, já que eu mesma nunca encontrei nenhuma blogueira mato-grossense =)
    Me chamo Camila, tenho 20 anos, e estou começando a blogar agora ( http://www.oqueha.wordpress.com – adiciona aí!), embora seja leitora daqui e de vários outros blogs há um bom tempo. Adoro entrar aqui porque sempre encontro posts interessantes, acho vc muito doce mesmo, e escreve que é uma beleza! Adoro!
    Beijos =**

  • Responder pati 23/10/2008 at 3:51 pm

    linducha! deficiência grave é falta de educação e coração maldoso!
    beijos

  • Responder Ale Londero 23/10/2008 at 3:56 pm

    Nossa!..Te vendo todos os dias e conversando contigo percebo que com o coração que tu tem nenhuma deficiência seria capaz de não te deixar ser a pessoa maravilhosa que tu é!
    É estranho como a gente se dá bem em tão pouco tempo de convivência!E mais ainda que tu entende o que eu falo, porque como a mãe diz, eu falo pra dentro!Mas isso só mostra que a nossa amizade foi amor a primeira vista! ehuieheuhee…
    Gosto muito de ti, to teu jeito debochada, séria, menina, perua, etc (mulher de mil faces), e sinto falta das conversas e cochichos junto com o mate!
    Conta comigo, nem que seja pra rir das coisas que acontecem ao nosso redor, ou das roupas estranhas que essas pessoas usam!hahahauahaiha..
    Te adoro AMIGONA!
    Beijão!

  • Responder Lola 23/10/2008 at 4:23 pm

    Lindo teu post! Adorei!

    Beijão.

  • Responder alda 23/10/2008 at 4:58 pm

    Tenho um amiga que têm esse mesmo problema com o aparelho auditivo, têm uma certa resistência de usá-lo por ter a sensação de estar c/ um amplificador no ouvido, fazendo ela desistir de usá-lo, ela diz que é pior do que não ouvir, talvez não tenha encontrado o aparelho certo p/ ela.Fora que acho que têm o lado da negação, tipo, se me virem c/ aparelho me definirão como pessoa “X”, ela lê lábios tbm. e têm um bom humor incrível sobre si! Eu tbm. tenho uma audição meio prejudicada, por conta disso que vc. falou do uso de aparelhos de som altos e tal, tenho uma mania de pedir p/ pessoas repetiram as coisas, as vezes tô falando super alto sem noção do meu tom de voz, acho que isso é decorrente de má audição né? Paulinha, vc. é uma mulher surpreendente! obrigada por dividir um pouco da tua vida com a gente e deixar a gente dividir um pouco da nossa com. vc.!
    bjinho

  • Responder Leka 23/10/2008 at 5:02 pm

    Parabéns pela coragem de expor algo tão íntimo!
    Um beijo e sucesso!

  • Responder Marina 23/10/2008 at 5:02 pm

    eu só não entendo uma coisa, como é que na cabeça de alguém vc ia fingir ser surda, o que vc ia ganhar com isso? e pior de tudo é perderem tempo olhando dentro do seu ouvido, hahaha…affe, a ignorância alheia…
    beijos e obrigada por esse post! faz a gente pensar duas vezes antes de reclamar pro bobagem…

  • Responder Mrs. fruticienta 23/10/2008 at 5:32 pm

    Ooi! nao, sou da argentina… sim, abaixo de voces!!!!!
    Amo Brasil! e é por isso que aprendi a falar sua lingua (bah, quasi.. rsrsrsrs)
    Beijocas!!!

  • Responder Caroline® 23/10/2008 at 5:59 pm

    Paulinha linda! Laura H disse tudo e mais um pouco! A Pati Rabelo do Bem-Resolvida uma vez fez um post sobre como ela se sentia amiga das leitoras, que ela nem conhecia pessoalmente. É o que se sente em relação a você, com o seu carinho de responder cada comentário nosso, com a sua dedicação ao blog que nós adoramos. Não dê bola pra torcida contra. “It don’t make any difference to me
    What the world thinks about us, baby…”
    Bjs.

  • Responder Karla 23/10/2008 at 6:04 pm

    Interessante ver isso pelo seu lado. Meu irmão tem uma deficiência auditiva significativa em um dos ouvidos. Mas isso nunca foi um drama na nossa família. Foi em decorrência de uma rubéola na gravidez. Ele se posiciona melhor, pede pra repetir, se vira como pode e as pessoas que não sabem nem sempre se tocam. Com seu post, tive vontade de perguntar pra ele como ELE se sente. Se eu, como irmã, agi bem com ele em relação a isso, se alguma vez o deixei desconfortável, de perguntar a ele como os outros agem, como ele supera. Talvez EU precise ouví-lo melhor.

  • Responder renata 23/10/2008 at 6:53 pm

    Paula

    Lindo texto.
    Realmente como existem pessoas sem paciência e sem educação no mundo.
    As pessoas não estão preparadas para lidar com o deficiente ou até mesmo com o idoso, elas não tem paciência. Acho que se esquecem que um dia seremos velhinhos também, e mais vagarosos e com a audição prejudicada.
    Não entendo como tem gente que não consegue se colocar no lugar do próximo, e trata-lo da mesma maneira que gostaria de ser tratado.
    Mas ainda bem que existem muitas pessoas que não são assim e se indignam com isso dá para ver pelos comentários deixados aqui.

    beijos
    Renata
    http://semprea2.blogspot.com/

  • Responder Bel 23/10/2008 at 8:28 pm

    Paula, lindo seu post, muito bom mesmo. E eu assino embaixo da Laura que disse que esses posts mais pessoais fazem a gente se sentir “amiga” da pessoa que está do outro lado — do tempo que acompanho o Sweetest, de tudo que ja li sobre você e seu jeito forte, parece que é uma pessoa que conheço há tempos!

    Admiro como você foi e é forte perante toda essa ignorância alheia, e continua vivendo e ouvindo e não deixando nada te abalar. Vou falar, certas horas eu escuto muito mal mesmo — minha mãe chama diversas vezes e eu dou a desculpa de estar no quarto com a porta fechada. Nunca nenhum exame acusou nada, mas acho que o ipod não está fazendo mto bem… hahahahaha.

    Beijão grande!!!

  • Responder carol 23/10/2008 at 10:29 pm

    Esse post explica o próximo!
    Obrigada por se abrir com pessoas que nem conhece… e mostrar que no fundo, no fundo, somos todos iguais.
    bjo paula!

  • Responder Mônica 24/10/2008 at 12:12 am

    Paula, vc é uma menina muito especial mesmo!
    Parabéns pela coragem de se abrir e de enfrentar os desafios da sua existência!
    É isso que te torna especial!
    Sou fonoaudióloga, mas não são especialista em adaptação de aparelhos auditivos. Trabalho com Processamento Auditivo, que leigamente falando, é o que vc faz com o que vc ouve. É a parte central da audição, realizada pelas vias auditivas desde o nervo auditivo na cóclea até o córtex cerebral.
    Parece que sua experiência com fonos não foi muito boa, não? Mas mal profissional existem em todas as áreas, né? Infelizmente…vc não deu sorte!
    A adapatação de aparelhos auditivos é complicada mesmo, um bom profissional é essecial neste processo, além da motivação, colaboração e envolvimento do paciente! Vc teve sua DA diagnosticada na adolescência, época dura para receber uma notícias dessa, concorda?
    Que bom que atualmente vc está satisfeita com seu aparelho e está tirando o máximo proveito dele.
    Seu post é extremamente relevante, uma vez que pode despertar em outros o desejo de experimentarem todos os recursos disponíveis para aproveitar tudo que a vida tem de melhor!

    Queria dizer para a Livia, que te escreveu um comentário acima, que ela tem todas as características de uma alteração no processamento auditivo e que deve procurar um otorrinlaringologista e um fonoaudiólogo para realizar uma avaliação. Ela pode ter a audição periférica preservada, sem perda, mas pode ter uma dificuldade em lidar com as características acústicas dos sons, pode ter falhas na análise e interpretação dos estímulos sonoros. Assim, mesmo captando bem os sons do meio ambiente, pode haver falhas no processamento desses sons pelas vias auditivas e como conseqüência vem essa dificuldade em entender o que os outros falam. Parece que é surda, mas não é isso. Existe tratamento específico para isso, com estímulo das habilidades auditivas alteradas, é um treinamento auditivo.
    Vc pode mandar uma cópia dessa mensagem para o e-mail dela, pode passar meu e-mail para ela. Se ela quiser, estou à disposição para esclarecimentos.

    Mais uma vez, parabéns por ser que tu és: uma menina muitíssimo inteligente, sensível, bela, enfim, especial em todos os sentidos!!!!!!!!
    1000 bjos

  • Responder Mônica 24/10/2008 at 12:14 am

    Credo Paula, fui reler meu comentário e vi que está cheio de erros de digitação! Escrevi na pressa!!!
    Desculpe!
    bjos

  • Responder brunocelidonio 24/10/2008 at 1:33 am

    nunca pensei…nem notei…

    perae…é daí que vem aquele sonzinho sexy de qdo vc falava “luna luna”?

  • Responder Vanessa Silva 24/10/2008 at 3:19 am

    Paula, que texto lindo! Emocionante sem ser piegas…
    Bom saber como o “outro lado” se sente, convivo com uma tia deficiente auditiva (consequência de uma meningite) e, ao contrário de vc, ela tem dificuldade na fala mesmo usando aparelho. O acompanhamento da fono, a fez melhorar muito. As pessoas na rua são indiscretas e perguntam pq ela fala daquele jeito, muitas vezes percebo o desconforto dela diante dessa situação, elas descriminam esquecendo de que ninguém escolhe nascer assim ou com qualquer outro problema. Gente fraca e pobre de espírito!

    Respondendo seu recadinho: Minha terrinha é linda mesmo, faz um calorzinho louco! rsrsrs. Se algum dia vier pra cá, não deixe de avisar!.
    E a criatividade pra atualizar os dois sites, chega através dos releases… isso facilita muito!

    beijos e vc é uma querida!

  • Responder Fernanda 24/10/2008 at 5:00 pm

    Oi Paula!!! Muito lindo seu texto, como disse a vanessa aí em cima, ficou emocionante sem ser piegas…
    Vc é uma pessoa muito legal e vc ter se aberto assim reforça mais ainda seus valores, e posso te falar que eu estou conseguindo ser uma pessoa mais aberta porque sempre penso no que vc escreveu sobre isso!! Nunca deixe as pessoas preconceituosas tirarem sua auto-estima higher, porque suas qualidades são maiores que tudo!!!
    Beijos
    Fernanda

  • Responder Rita 24/10/2008 at 7:20 pm

    Oi, docinho!

    Parabéns! Vc espremeu o limão e transformou em limonada! Te garanto que virão muitos outros “limões” aí pela frente, mas agora vc já tem bastante habilidade com eles, né? Todos nós, eu disse todos, temos algo diferente do outro, é natural, faz parte da vida. Diferente, não pior ou melhor, só diferente. Quem se recusa a aceitar a diferença do outro vai, dia desses, ter que encarar a própria, fatal…
    Continue fazendo a diferença, isso é o que importa!

    Bjs!

  • Responder Giovana 28/10/2008 at 6:06 am

    Deficiência para mim é ser grosseiro, achar que todo mundo tem que ser igual ( e pensar igual), não se importar com os outros, impor seus direitos e não respeitar o de mais ninguém.
    É quem não tem gentileza, quem não espera os outros saírem do elevador para entrar, quem empurra para conseguir lugar, quem fura fila, quem ouve música alta sem se importar se os outros também querem ouvir.
    É quem é arrogante ao tratar com as pessoas, quem não dá lugar aos idosos
    ( tendo pais ou ao menos sabendo que, se tiverem sorte, um dia também envelhecerão), quem estaciona em vaga de deficiente, quem quebra garrafa no meio da rua, quem se orgulha da própria ignorância.
    É quem tem orgulho em ser agressivo, se orgulha da burrice, machuca os animais porque é, este sim, irracional, fala alto em cinema, teatro ou palestras,gosta de um tipo de música só por que todo mundo ouve e não procura conhecer a diversidade.
    É quem desdenha os que querem lhes passar um pouco de cultura, os que dizem “eu sou assim” e nunca tentam aprender nada para se tornarem melhores.
    Esses, são deficientes, outros, diferentes.
    Muito bom o seu texto
    Bj

  • Responder Helena 30/10/2008 at 12:14 am

    você é uma pessoa admirável. adoro ler seus textos e conhecer a sua visão sobre diversas situações. é sempre muito coerente. no mais, a gente tem mesmo é que ser feliz e não dar bola para essas pessoas tentam puxar a gente para baixo.

    beijos, com carinho,
    helena

  • Responder Flávia 30/10/2008 at 6:58 pm

    Creio que este foi um dos posts mais importantes que eu já li neste blog… Sempre dou uma passeada por aqui pois amo make e moda, mas nunca comentei nada… mesmo por que entrava aqui pra aprender.. E hj eu aprendi muito! Nós vivemos em mundo egoísta, individualista, todos acham que o mundo deve funcionar de acordo com o que uma maioria muitas vezes ignorante pensa… e hj vi q deve ser exatamente o contrário… Você é realmente doce! Bjs!

  • Responder Letícia 06/11/2008 at 3:57 pm

    Seu post me arrepiou! Garra, força, determinação, sair da concha e deixa todas as neuras nela bem fechadinha!
    PARABÉNS!!!!!!!! AMEI, MESMO, VC NÃO NOS FEZ SENTIR DÓ E SIM NOS INSPIROU A DAR VALOR AS…PEQUENAS GRANDES COISAS!
    ARRASOU!!! AMEI SEU BLOG, DESDE QUE VI A ENTREVISTA COM A MINHA ÍDALA VANESSA ROZAN!
    AGORA É PRIORIDADE MINHA VISITA AQUI!
    BJS
    BJS
    BJS

  • Responder Diefani 16/11/2008 at 1:57 am

    Paula eu também sou deficiente auditiva e nossa faço minhas
    todas as suas palavras. Nossa eu as vezes tento falar essas coisas
    pros outros mas não consigo me expressar, de hoje em diante vou
    passar esse post para q leiam hehehe.
    Beijos

  • Responder 28/04/2012 at 12:41 pm

    Paula,

    Eu não tinha ideia do seu problema! Sempre vi você lutando por causas com relação a deficiência, mas achei que era alguém por perto. E não você mesma. Eu confesso que não tinha lido o cronicas e agora só tenho a dizer que gostaria de ter lido antes.

    Eu adorei seu texto, me fez pensar em muitas coisas e principalmente como sempre tentamos achar cabelo em ovo. Eu tenho um problema de ansiedade que se manifesta na compulsão alimentar e em diversos momentos da minha vida eu fui vitma do “ela é isso e isso de bom, pena que ela é gorda”. Isso não ajuda a auto estima de ninguém, imagina quando falam de algo que não pode ser mudado. Me parece uma brutalidade, para mim já era, pois mudar isso sempre foi MUITO dificil.

    As diferenças tornam os seres humanos mais fortes e melhores. Acho ADMIRAVEL que você venha e inspire as pessoas desta maneira.

    Adorei muitas frases nesse texto, mas tem uma que eu concordo e acho MUITO IMPORTANTE.

    “Podem tentar diminuir uma pessoa pelo que quer que seja, mas jamais por algo sobre o qual ela não tem controle algum.”

    Muito bom mesmo e parabéns por ser essa mulher sem limitação alguma, me desculpe discordar de você, mas para você nem o céu é o limite. Quem tem um degrau como esse na vida e se torna uma pessoa tão bem resolvida é mesmo afortunada. Parabéns por mostrar esse lado de uma maneira tão legal, sei que o texto é antigo, mas a história segue importante!

    Beijos

    • Responder Paula Sweetest Person Blog 28/04/2012 at 2:05 pm

      Que coisa mais linda ler isso, me emocionei aqui Jô!
      Sem palavras!!!!!!
      =)
      Beijo gigante e abraço de ursa

    Deixe seu comentário

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.