Rio de Janeiro Viagem

Dicas do Rio de Janeiro por uma insider

05/11/2016

Dicas do Rio por uma insider, sim. Pensem numa carioca marrenta que conhece a cidade de trás pra frente: é a minha amiga Marcela Vasconcellos, que entrou na minha vida há muitos anos…por causa do Sweetest! Muito amor envolvido, gente. Ela me salva quando recebo visitas que querem aproveitar o que a cidade tem de melhor e dependem de mim para isso, rsrsrs! Convidei a Marcela para compartilhar conosco seus roteiros, que fogem do óbvio numa cidade que é feita para pegar o turista, torcer e atirar no mar. Deliciem-se, porque a bicha escreve muito bem 😉

Então você vem pro Rio e quer as melhores dicas? Eu sei que muita gente quer conhecer mais do que o circuito turistão (apelidado carinhosamente por mim como “programas de turista índio rico”), o que é justo pois nossa cidade é bem maior que o eixo de passeios que ficam na Zona Sul. O Rio foi residência do Império, foi capital do país e abriga muitas culturas, seja de quem veio colonizar, fugir de guerras ou mesmo de outras partes do País. Portanto há muitas opções de passeios baratos pra quem gosta de bater perna, ver coisa diferente  e ainda se surpreender com belezas inesperadas pelo caminho. Reuni alguns pequenos roteiros que uso pra mostrar meu pedaço de mundo pra quem vem de fora.

Primeiramente, a cidade é tão perigosa quanto qualquer outra cidade grande. Os cuidados são os mesmos sempre, não importa onde esteja turistando: usar um porta dólar que vai dentro da roupa pra guardar dinheiro, cartões e documentos, não usar jóias/câmeras/objetos de valor expostas, ficar atento quando usar o celular na rua (vale entrar em uma loja pra fazer isso)…enfim, ser ihsperto, pois é óbvio pra toda humanidade que você é turista, ninguém tira foto em frente a prédio bonito numa terça-feira, meio dia se não for turista ou blogueira de moda.

Sobre praia-praia-praia (pensamento de 90% dos turistas), no verão a gente tem praia de 6hs até às 20hs, isso se você só estiver querendo sol. Se for pelo calor você pode ficar na água até umas 23hs de boa. Então pode ser um desperdício ficar lá torrando 5 dias inteiros e não aproveitar mais nada da cidade. Dá pra passear e ainda pegar um sol mais tarde, ideal pra não pegar insolação no primeiro dia e passar os outros mal, de cama, o que acontece tanto que chega a ser ridículo.

Sobre preços, é mito que a cidade é cara, ela é uma pegadinha para turista como qualquer destino famoso. Se você for pegar praia em frente ao Copacabana Palace em janeiro vai acabar pagando mais de R$10,00 numa cerveja sim, sem falar que é um péssimo ponto de praia. Mas se for pro Leblon, ou mesmo pro Recreio, já consegue pagar menos.  Comer também pode ser uma pegadinha perto dos pontos turísticos, vale sim tomar café da manhã na padaria, almoçar no quilo mais distante do hotel, comer doce numa confeitaria comum e ir na Colombo só pra beber uma água e tirar foto (quem nunca?).

Se você vem no verão, tome cuidado. Na verdade eu recomendo os meses de abril, maio, setembro e outubro, mas o inverno carioca é bem ameno e você pode acabar pegando praia em julho sim. Nos meses de dezembro, janeiro e fevereiro a temperatura bate os 44 graus, com sensação de 50 e mesmo dias sem sol podem ser quentes demais, causando mal estar e queimaduras. Roupas bem leves, sapatos confortáveis, muita água e protetor solar a cada duas horas, essas são as regras. Cidade litorânea não tem frescuras então aproveita pra botar as Havaianas pra andar no shopping e no museu!!! Além disso,  recomendo fugir das comidas pesadas ou pegue leve no tamanho do prato, ninguém quer passar mal e perder um dia de viagem.

dicas-rio-janeiro

 

Roteiro 1: Centro da cidade em dia de semana

 

Choveu? Não aguenta muita praia? Gosta de conhecer história, arquitetura e cultura urbana que une o velho e o novo em um único lugar? Quer comprar quinquilharias no Saara?? Bota um tênis confortável e vem. Primeiro você vai pegar o metrô (levando em consideração que você está perto de um, senão é só usar o Maps e procurar um ônibus) e descer na estação Central do Brasil, ali você vai pedir informação pra procurar o guichê do Bilhete Único e comprar um cartão.

O bilhete único é o cartão que vai fazer você economizar dinheiro com passagens de transporte público, sugiro carregar com uns R$40, pra começar. Depois fica com ele de lembrança ou se voltar pro Rio é só ir na Central de novo, desbloquear e voltar a usar.

Dali você vai seguir o mapa, saindo pela Mal. Floriano você vai ver prédios antigos lindos. O Ministério do Exército, a sede do Itamaraty e o túmulo de Duque de Caxias ficam logo de cara pra saída da Central. Entrando na rua do Colégio Pedro Segundo, você já vai se sentir um carioca de verdade, ruas pequenas, prédios bem antigos e- infelizmente – mal conservados, pequenos restaurantes que servem comida boa a preço justo. Andando um pouco você chega ao Jardim do Valongo, uma lindeza da época do Império que servia de passeio para as Senhoras de 1800 e pouco tomarem uma fresca de fim de tarde. Restaurado, ele é um oásis com vista linda do Centro nervoso da cidade e ótimo para as primeiras fotos do dia.

Segue o jogo e vai andando pela Barão de Tefé, por favor note a mistura de antigo e novo, a arquitetura do novo prédio da L’Oreal misturada com armazéns antigos da região porturária, é lindo demais. <3

Aqui você pode seguir o mapa ou pegar o VLT e ir para o AquaRio. Cada um com seu cada um,  mas recomendo uma pesquisa sobre animais em cativeiro. Se for seguir o mapa, é só ir em frente.

No fim da Barão de Tefé você vai encontrar o lindíssimo Boulevard Olímpico. Do seu lado esquerdo vai estar o famoso Mural do Kobra, mas recomendo olho vivo pra notar as mil expressões de arte em grafite, colagens e pinturas que estão nessa área. Seguindo para a direita você vai chegar na Praça Mauá e dali pode ir ao Terraço do MAR pra tirar fotos panorâmicas da Baía de Guanabara (é de graça, só subir direto para o 6 andar. Aproveite pra ir ao banheiro e beber uma água no térreo do Museu), pode ver o Museu do Amanhã e ir andando pelo Boulevard até o CCBB, que tem lindas exposições gratuitas. Só a entrada no prédio vale a visita e ainda dá pra ir na livraria, sentar um pouco pra admirar aquele teto divino e se refrescar do calor.

MAR e Museu do Amanhã são pagos. Você deve comprar os ingressos pelo site do Museu do Amanhã pra aproveitar a promoção, ou fazer esse passeio numa terça feira, quando a entrada é gratuita (último domingo do mês o MAR é gratuito também). Mas o CCBB estará fechado se for terça, daí você pode aproveitar pra conhecer o Mosteiro de São Bento e almoçar no Beterraba, um vegetariano muito bom que fica na mesma rua.

Viu cultura? Almoçou? Agora pode ir comprar quinquilharia no Saara. Aproveita e já providencia as lembrancinhas da família, os ímas de geladeira que você compraria por R$20 no Corcovado saem por menos de R$5 em qualquer lojinha das redondezas. Dali é só procurar o Metrô Uruguaiana e ir pro hotel, guardar toda a tralha adquirida e ainda dá pra aproveitar bastante praia.

 

dicas-lapa-rio

Roteiro 2: Que tal conhecer a Lapa de dia?

A Paula fez parte desse roteiro comigo num sábado, tem o mesmo efeito e, se você casar de estar na cidade no primeiro sábado do mês, pode ir  na feira do Lavradio ou ainda pode ficar por lá mesmo e aproveitar a noite (melhor da cidade).  Pegue  um ônibus que te leve direto pra Lapa ou desça no Metrô Carioca, e vá andando pra conhecer a Catedral Metropolitana. Dali você já segue para os Arcos, vai no Belmonte comer uma empada aberta de carne seca e tomar uma cerveja (quem se importa que ainda nem é hora do almoço?), tira fotos em frente ao Circo Voador, Fundição Progresso, conhece o bairro um pouco, deixa acontecer naturalmente.

Depois vai andando até a Escadaria Selarón. O lugar é uma obra de arte a céu aberto, maravilhosa demais.

 Já que vai acabar subindo a escadaria toda pra tirar trocentas fotos então aproveita pra ir no Parque das Ruínas, uma propriedade linda, em ruínas mesmo, mas que virou um Parque bem cuidado, calmo e com vista maravilhosa do Centro e parte da Zona Sul.  Se não comeu a empada (Deus perdoa, eu não) então recomendo levar coisinhas pra fazer um mini piquenique ali na mureta ou mesmo  no Museu da Chácara do Céu, que fica do lado.

Os dois não abrem terça-feira, Museu da Chácara do Céu tem entrada de R$2,00, gratuita às quartas-feiras.

Olhando agora parece pouca coisa, mas a subida da Selarón vai cansar. Almoça ali em Santa mesmo, tem mil bares/restaurantes que servem todo tipo de comida. O bairro é lindo, tem o bondinho funcionando em alguns trechos, mil coisas legais pra descobrir caminhando sem destino. Eu sei que viagem é coisa que acaba rápido mas ninguém é obrigado a subir correndo, descer correndo…aproveita o momento, senta na Escadaria, admira a paisagem dali da Mureta do Parque, respira. Você está de férias, nada tem horário e nada é urgente.

Depois disso, você pode pegar um Uber ou ônibus e ir pro Botafogo Praia Shopping, tirar a famosa foto com o Pão de Açúcar ao fundo lá da varanda que fica no trocentésimo andar (Botafogo ESCADA Shopping é o apelido carinhoso dado pelos cariocas). Essa é a sua cota de shopping da viagem então aproveite, não é permitido mais nenhuma visita a lugares do tipo durante sua estadia na minha cidade.

Se você for turista ishperto vai estar com roupa de banho na mochila, aproveitar o banheiro do shopping pra trocar de roupa e ir pegar um restinho de praia. Ou esquecer isso tudo e ir pra Mureta da Urca tomar uma cerveja trincando de gelada e comer uns petiscos, sentadinho escutando o barulho do mar e com uma vista nojenta de linda.

 

Roteiro 3: Mas ir pro Centro no sábado não é perigoso?

 

Três palavras pra você: Samba da Ouvidor. Se possível, checa se vai rolar samba durante sua estadia na cidade e não perca esse patrimônio da nossa música. Valeria a pena correr perigo, mas nem vai ser preciso. O Centro virou destino turístico depois das Olimpíadas e a gente já aproveitava sábado pra bater perna no Saara desde sempre, sem problemas mas com os cuidados que citei anteriormente.

De novo, desce no metrô Carioca. Ou pega o VLT, ou vai de ônibus e desce na rio Branco. É sábado, você vai acordar mais tarde mesmo então aproveita já pra ir abrindo o apetite dando uma caminhada pelo Paço Imperial e lembrar as aulas de história, conhece o Arco do teles e lembra das novelas de época da Globo (cada um com sua referência). Depois, com a barriga roncando, vai direto almoçar num restaurante que tem atrás do CCBB, na esquina da Rua do Mercado. A feijoada maravilhosa e eu sei que disse pra ter cuidado com comida pesada mas o lugar é bom e barato, seria um crime vir aqui e não comer feijoada nenhum dia. Você vai sentar na calçada com direito a sombra e vento fresco, dá pra fazer a digestão com calma. Depois dali é só maldade, só cerveja gelada e sambinha na veia. Vai pra Rua do Ouvidor e seja feliz.

Ou vai pra Colombo comer doce, eu já disse: Deus perdoa, eu não.

Mentira, eu perdoo sim, mas acho que vale uma passadinha pelo menos. Pra ter um gostinho de carnaval, de Rio de Janeiro de verdade. Dá pra fazer tudo com calma, ir na Colombo, ir no samba, conhecer a Livraria da Cultura…tem entretenimento pra todo gosto.

 

 

Roteiro 4: E a Zona Norte? Existe mesmo??

 

Migs não só existe como é o fervo. Tem Madureira com feijoada da Portela e um parque bem legal pra levar as crianças, tem São Cristóvão com Maracanã e Feira dos Paraíbas e tem Penha/ Ramos, pedaço da cidade em que moro.

Vamos bancar o carioca de verdade e pegar um trem?? Aproveita e vai conhecendo a ZN pela janela, você tem que ir pra Central e pegar o ramal Saracuruna/Gramacho, consulta os horários de saída na Supervia. Desce na estação da Penha e vai até a Igreja de Nsa. Senhora da Penha, a subida pode ser pela escadaria de 365 degraus ou pelo bondinho, lá de cima, além da igreja maravilhosa, tem uma vista fantástica desse pedaço da cidade, dá pra ver as favelas que todo mundo tanto tem curiosidade. Dali é só pegar o BRT e ir pro Cacique de Ramos, domingo tem feijoada, tem roda de samba, é lindo demais.

Depois de curtir todas é só ou pegar o trem de volta pra Central ou pegar o 484 ali na Angélica Mota, em frente a estação de Olaria.

Pros medrosos realmente é um roteiro mais “hardcore” pois não é lindinho, decorado e bem cuidado como a região oficialmente turística da cidade. Pode assustar quem só conhece o Rio das páginas de revistas, mas essa é a nossa realidade. Complexo do Alemão é turístico hoje, mas milhares de pessoas moram lá e passam alguns perrengues em dia que o bondinho não tá funcionando. Imagina subir aquelas ladeiras com compras nas costas? Se você leu tudo até aqui então tem interesse em conhecer a cidade de verdade, ir além do maquiado e do belo, se quiser mesmo vir pra ZN então pode fazer amigos pela internet que topem te levar pra passear, consultar guias ou mesmo meter as caras e vir sozinho. Acredite, pode ser bem legal.

 

 Roteiro 4: O bônus do bom turista

 

E os substitutos? E as dicas pra quem quer ficar no eixo Copa-Leblon??

Bondinho  do Pão de Açúcar – Pode ser substituído por uma trilha no Morro da Urca. Dura uns 20min se você tiver bom condicionamento físico ou uns 40min se for devagarzinho. A verdade é que vale pra qualquer um, já vi até criança fazendo. Chegando lá em cima tem mirante, tem banheiro, tem até quiosque pra fazer um lanche. Mas também cabe aquele piquenique maroto pra economizar um pouco.

Há empresas que fazem rapel, escalada e até trilhas guiadas pelo Rio. Eu já fiz rapel com o pessoal da Graver mas é só dar um Google que vocês vão achar muita empresa disponível. 

Corcovado – Não tem substituto direto, pra mim é passeio de índio mesmo porque toma quase um dia todo sendo que se passa 15min lá em cima e já se viu tudo, tirou foto de tudo. Acho desperdício de tempo e dinheiro mas se for inevitável fazer então pelo menos vá pelo Trenzinho, que torna o passeio mais legal.

Jardim Botânico – Nunca fui. É cheio, tem que pagar pra entrar e grande demais. Recomendo o Parque Lage, que fica bem do lado, é lindo, vazio e tem uma cafeteria maravilhosa que serve até almoço. Vale muito chegar cedinho pra tomar café da manhã lá.

Parque da Catacumba – Na Lagoa, tem uma trilha pequena com vista maravilhosa, lugar pras crianças brincarem e depois dá pra ir dali pro Parque dos Patins ou mesmo atravessar o bairro caminhando e ir pra Praia de Copacabana, na altura do Cantagalo (meu lugar preferido é na Altura da Rua Bolívar, barraca do Marcelo do Pará).

Espero ter ajudado todos a encontrar algo interessante pra fazer no Rio de Janeiro, há quem prefira música, teatro, museus, noitadas, muitas fotos pra postar e há um Rio de janeiro pra cada uma dessas pessoas. Lembrem-se que a cidade ferve, sempre tem algo novo acontecendo, algum lugar diferente ou renovado, não tenha vergonha de vir mais de uma vez pra cá e sempre tente coordenar bem as datas de chegada e partida pra não correr o risco de perder algo legal por um dia.

28 amaram.

Você também poderá gostar