Dermatologista

Dermatite Atópica: você conhece?

17/02/2014

Desktop

A dermatite atópica (DA) é uma doença crônica não contagiosa, e causa inflamação na pele. É MUITO comum causar coceira e eczema (lesões, as vezes chamadas de “impinge”) em várias partes do corpo. Nas crianças menores essas lesões aparecem mais no rosto, no tronco e parte externa das pernas e dos braços. As crianças maiores e os adultos apresentam essas lesões mais comumente nas dobras do corpo (pescoço, dobra do cotovelo e atrás do joelho, região logo abaixo do bumbum). E quanto mais a pessoa coça a área afetada, pior fica o quadro geral.

Por que estamos falando dessa dermatite? Porque até 20% da população desenvolve a doença em alguma fase da vida! E assim como para alguns ela piora ou se manifesta no inverno, para outros essa é a época em que isso acontece. A DA pode surgir em qualquer idade, mas é mais comum iniciar ao redor dos 3-6 meses de idade. Pessoas com histórico familiar da doença, de asma ou de rinite alérgica são as mais propensas a desenvolvê-la. Não à toa, muitos chamam a DA de “asma na pele“. A dermatite atópica, assim como a asma e a rinite, não tem cura, mas pode ser bem controlada. Além disso, conforme passam os anos, seus sintomas podem diminuir consideravelmente.

Paraque isso aconteça existem algumas recomendações – leiam-se regras – que o paciente precisa seguir à risca:

  • A hidratação diária e abundante é uma delas – a pele seca em geral favorece a piora da doença. Por isso algumas pessoas pioram no verão: sal, cloro, muitos banhos, sabonetes, falta do uso de hidratantes (algumas pessoas acham que “gruda”). O uso do hidratante aqui é tão importante quanto a bombinha para quem tem asma: ele permite a restauração da função de barreira da pele, reduz a sensação de coceira e irritação e ajuda na proteção contra as superinfecções;
  • O banho também deve ser criterioso: prolongar o MÍNIMO possível o contato com água, a temperatura deve ser nao mais que morna (lembre, a água quente resseca), sabonetes devem ser emolientes, com pouco perfume e utilizados somente nas áreas aonde se fazem mais necessários ( região genitália, mãos, pés, face).

Alguns cuidados extras também ajudam: evitar o excesso de amaciante nas roupas, usar roupas frescas e de fibras de algodão, evitar contato com muito pó, vento, mudanças bruscas de temperatura. Para as crises e casos que não melhoram somente com recomendações acima, existem muitos tratamentos. Desde o uso de corticosteroides tópicos e anti histaminicos orais, passando pela fototerapia, até o uso de imunossupressores.
O importante é conhecer a doença, sua evolução e prognóstico, seguir as recomendações necessárias e nao se deixar estressar, o que aliás agrava o quadro. Mas lembre que nem tudo que é vermelho e coça é dermatite atópica. Existem vários diagnósticos diferenciais. Se você acha que tem ou que seu pequeno possa ter essa doença, consulte seu médico.

Raíssa Londero Chemello

Médica Dermatologista – CRM 27193 Mestre pela Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS)

12 amaram.

Você também poderá gostar

3 Comentários

  • Responder Bruna 17/02/2014 at 11:32 am

    Eu tenho e sofro! Cada dia é de uma descoberta!
    Muito legal o post 🙂

  • Responder Polliana 17/02/2014 at 3:55 pm

    Gente, vou mostrar para minha irmã. Ela vai adorar! Beijos meninas

  • Responder ka 21/02/2014 at 2:09 pm

    de acordo com a medicina alopática pode não ter cura mas os orientais dizem o contrario e eu sou a prova disso. Tinha DA num grau severo e me curei completamente com acupuntura e medicina tradicional chinesa….Pra quem não conhece vale a pena pesquisar…

  • Deixe seu comentário

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.