by Paula Pfeifer Myself

A corrida diária contra o tempo

22/08/2017

Meu dia começou às 6:30. Às 8, saí na chuva para levar um equipamento ao consultório, e de lá fui ao primeiro mercado do dia. Voltei, guardei as coisas, respondi uns quinze emails, ajeitei os posts da semana do Crônicas, almocei, fui pra academia. De lá, direto para dois mercados, duas filas enormes, volta pra casa, guarda tudo, arruma a bagunça, põe roupa na máquina, estende roupa, leva o cachorro pra passear. Depilação, trocentos WhatsApps, lista de “to do” semanal, perrengues e flashes mentais de tudo o que ainda não consegui resolver. Às 18:00 sento em frente ao computador para finalmente começar a ‘trabalhar’.

Hoje não consegui parar de pensar sobre nossa corrida diária contra o tempo.

Um dia perfeito seria acordar com calma e tomar um café da manhã de substância com o marido, levar o cachorro para passear, ler o jornal, fazer exercício, tomar banho, fazer uma escova e uma make tranquila e então começar a trabalhar. Com calma. Talvez isso exista em outra dimensão…

Sinto como se corresse contra o relógio o dia inteiro e, ainda assim, não desse conta de nada.

Não consigo ajeitar a casa como gostaria, não consigo desconectar para me afundar em vários projetos sensacionais-porém-parados-por-falta-de-tempo, não consigo ir à manicure, não leio os trocentos livros que estão na mesa de cabeceira, não dá pra assistir seriados, não aprendo a cozinhar – e a lista de ‘nãos’ só cresce. Qual a desculpa? Qual o problema? Taquioparil…

Fico feito um boneco de vodu possuído pra lá e pra cá, fazendo o que dá pra fazer, mas sempre com a sensação bizarra nas entranhas de que não fiz foi nada. Com vocês também é assim?

Aí entro no Linkedin e vejo cinco posts de ‘gurus’ falando sobre como gerenciar o tempo. Ao que parece, minha vida vai fluir melhor se eu tiver um caderno com dez receitas rápidas/fáceis, todos os ingredientes na despensa, desativar as notificações de celular, não acessar meus emails, marcar reuniões estritamente necessárias de no máximo 30 minutos (onde estão esses clientes zen-budistas meldels), malhar estratégica e intensamente, praticar mindfullness, for positiva, etc etc etc. Fico me perguntando se as pessoas que seguem esses conselhos moram no topo da montanha e não têm família porque, convenhamos, como um ser humano NORMAL dá conta? Ah, quase esqueci: dormir pra que quando eles contam que grandes executivos fodões dormem 5hs por noite e malham antes das seis da madrugada? Jezuzzzz.

Planejamento: taí algo que tenho levado mais a sério. Foco: preciso melhorar horrores. Prioridades: descobrir o que priorizar e aprender a me pôr no topo da lista, to querendo saber como.

A gente corre feito ratinho de estimação porque o lance se resume a pagar contas, programar boletos, gerar dinheiro. Eu, que fui uma entediada-porém-feliz funcionária pública durante 13 anos, caí na vidaloka de freelancer e, vou confessar: tem dias que acho que vou despirocar. Quero produzir o melhor conteúdo, quero entregar o melhor resultado, quero fazer a melhor consultoria, quero ser a melhor mulher do mundo, quero ser uma dona-de-casa melhor, quero melhorar como madrasta, quero ser uma neta menos relapsa, quero ser uma irmã mais presente, quero ser uma amiga mais atenciosa. Sabe o que quero mesmo? Que meu dia tenha 48 horas.

A ansiedade que essa corrida diária contra os giros do relógio causa me faz sentir um mal estar físico e emocional que são muito, muito ruins. Como se nada nunca estivesse plenamente executado e, pior, como se nada nunca estivesse suficientemente bem feito. Como se algo estivesse faltando – mas aí não é uma coisa só, são dezenas de pequenas coisas. Vocês também ficam zonzas às vezes?

Parar de correr contra o tempo, só quem tem a vida ganha. E quem tem?

44 amaram.

Você também poderá gostar

1 Comentário

  • Responder Vanessa 14/09/2017 at 3:09 am

    Paula também me sinto assim. Sem dúvida, a frustração de ter tido um dia caótico e sem rendimentos, é gritante. Tenho uma dica que comigo funciona muito bem (quando coloco em prática rsrs)… Trata-se de planejar por escrito, logo ao levantar, todas atividades a serem realizadas ao longo do dia, traçando uma logística de rotas e prioridades para não perder tb… Este exercício ajuda a direcionar o foco, a não procrastinar e obter fluidez na corrida maluca do tempo… Um grande beijo, seus posts são ótimos! Fique com Deus!

  • Deixe seu comentário