Dermatologista

Alopecia: tudo o que você precisa saber sobre ela

16/10/2014

A alopecia, nome dado à queda de cabelos, acomete mais 60% da população mundial, sendo raro uma pessoa que pelo menos uma vez na vida nao apresentou um episódio de queda de cabelos. As deficiências nutricionais são causas importantes de queda de cabelo. O cabelo não é um tecido essencial à sobrevivência, sendo um dos últimos tecidos a ser nutrido pelo organismo e o primeiro a ter os nutrientes racionados. São necessários proteínas, ferro, cobre, zinco, silício e vitaminas para se desenvolver e ter um crescimento ideal de aproximadamente 1,0 cm por mês. Uma vez que o folículo capilar nao é nutrido de forma adequada e as deficiências nutricionais mantidas, os cabelos começam a cair. As perdas mais comuns relacionadas à nutrição ocorrem devido a dietas radicais, cirurgia bariátrica e doenças que acometem o intestino. A deficiência de proteína também pode gerar alopecia, ja que mais ou menos 85% da haste capilar é formada por proteína.

O stress atua como gatilho, que interrompe o ciclo de desenvolvimento do cabelo. Determinar o momento em que algum evento iniciou a queda dos cabelos pode ser difícil, mas existem evidências que o stress, agudo ou crônico, pode precipitar a queda dos cabelos.  Alterações hormonais também podem interferir no ciclo capilar, como irregularidade menstrual, puerperio ou menopausa, e a calvície ( alopecia androgenetica) comum nos homens. Doenças que levam a alterações orgânicas, como o distúrbio da tireóide, febre, infecções, podem também gerar alterações no ciclo capilar. Assim como os distúrbios psíquicos também podem contribuir para queda de cabelo.

Medicamentos comumente utilizados nos tratamentos crônicos ( antidepressivos, analgésicos) também contribuem para a queda capilar. Como muitas medicações são utilizadas concomitantes, geralmente é muito complicado identificar qual promove este efeito colateral. Geralmente, os sinais de queda são visíveis entre 4 e 12 semanas após o inicio da medicação. Os hábitos diários também podem favorecer a queda de cabelos. O ato de manter os cabelos sempre presos, principalmente sob tração, gera alopecia por tração. A quebra dos cabelos também é um fator freqüente que gera diminuição da massa capilar: procedimentos químicos como alisamentos (ainda mais utilizados de maneira inadequada) assim como danos físicos gerados pelo mau uso do secador ou chapinha, podem sim gerar fratura dos cabelos e diminuir a densidade capilar.

270520131819Calvice-01alopecia-areata

Tipos de alopecia:

  • EFLÚVIO TELOGENO: acontece sobretudo nas mulheres e é causado normalmente por um distúrbio TEMPORÁRIO no ciclo de crescimento capilar, sendo que a fase de crescimento entra prematuramente na fase de descanso. Aqui comumente há uma queda excessiva e aguda ( eflúvio agudo ) mas pode haver também queda normal de cabelos com afinamento gradual (eflúvio crônico).
  • ALOPECIA ANDROGENETICA: acomete nao só homens mas também mulheres. Os genes são passados de maneira hereditária, podendo pais nao calvos apresentar filhos calvos. Esse tipo de queda de cabelo esta intimamente ligada à presença de hormônios masculinos no foliculo geneticamente predisposto à doença. O quadro clínico gera uma atrofia do cabelo que deixa de ser fio terminal ( espesso) para ser fio velus, sem cor e praticamente inaparente. No homem o comportamento da doença é mais agressivo, porém pode haver, menos freqüentemente, mulheres com calvície muito acentuada.
  • ALOPECIA AREATA: quadro típico de clareiras no couro cabeludo, formando áreas sem cabelos. Pode apresentar um quadro mais grave com queda de todos os pelos do corpo. Pode repilar espontaneamente sem tratamento ou nunca repilar.
  • TRICOTILOMANIA: perda induzida pela tração da haste capilar, sendo mais freqüente em crianças e mulheres. O ato de puxar os cabelos se torna compulsivo. Acompanhamento psíquico é fundamental.
    Novas perspectivas serão abordadas na continuação desse post para nao cansar os olhinhos.

 

Raíssa Londero Chemello

Médica Dermatologista – CRM 27193 Mestre pela Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Santa Maria: (55) 3221-2838

7 amaram.

Você também poderá gostar

3 Comentários

  • Responder Aline Oliveira 15/12/2015 at 3:49 pm

    Adorei o texto muito completo. Parabéns!

  • Responder Marcelo Santiago 09/12/2016 at 9:27 pm

    Gostei muito desse artigo, vou recomendar aos meus amigos!

  • Responder Marcelo Santiago 23/08/2017 at 2:21 pm

    Alopecia é sério problema, graças que tem tratamento!

  • Deixe seu comentário

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.