by Paula Pfeifer Gravidez

30 semanas de gravidez

05/03/2018

E lá se foram 30 semanas de gravidez. Lembro das semanas iniciais, quando parecia que o parto seria em outra vida ou em outro século, de tão longe que estava. Mas agora, tão pertinho, chega a dar frio na espinha.

Fui a grávida que achei que seria até agora. Esfomeada e desatucanada com os assuntos que dizem respeito a parto, bebês e afins. Se é certo ou errado não sei, mas nem perdi tempo indo em busca de too much information. Engoli a seco todos os olhares de desprezo de outras mães e de outras gestantes quando me perguntavam qual tipo de parto eu preferia e minha resposta era ‘cesariana’. Abafei os olhares de cima a baixo para as perguntas para as quais eu não tinha – e talvez siga não tendo – resposta. E não, nenhuma dessas coisas estragou um dia meu sequer. Juro.

Corri pra lá e pra cá e não parei um minuto. Encorporei total o ”gravidez não é doença”. E sabe que gostei? Se toparem com uma grávida Forrest Gump pelas ruas de Copacabana, a chance é grande de ser eu. Uma amiga diz que vou acabar parindo na rua, de tanto que caminho todos os dias indo a mercado, banco e onde mais precisar.

Comi tudo o que senti vontade, embora o esporro inicial da minha obstetra quando ganhei 3kg em um mês tenha me feito baixar bem a bola. E comi feliz! Claro que, como qualquer ser gestante de primeira viagem, sofri ao me olhar no espelho e não me reconhecer rechonchuda, mas não fui a grávida fitness preocupadíssima que achei que seria. Última vez que me pesei (sábado) estava com 65,4kg. Levando em conta que comecei com 59kg, por ora tá tudo sob controle. Mas nunca tive tanta celulite na parte de trás das pernas e na bunda. Aliás, nunca tive tanta bunda, rsrsrsrs!! As coxas engrossaram. Só o rosto e os braços escaparam ilesos do arredondamento geral. E pior é que me olho no espelho e penso: “Que fofa!”. 🙂

Lembro de muitas vezes antes de engravidar nas quais saía do banho, empinava o pânceps pra frente e ficava tentando imaginar como seria quando esse dia chegasse – e se chegasse! Agora é o contrário: tento chupar a barriga, sem sucesso. Estou apegadíssima ao cabelo de gestante, porque o meu encheu, ganhou volume e parou de cair. Não lembro a última vez na vida em que tomei banho e o ralo não ficou tapado de fios de cabelo que caíram. Ultimamente olho pro ralo e vejo no máximo uns dez fios. Se tivesse gênio da lâmpada o pedido seria pra continuar cabeluda…

Não comprei roupas de grávida, só uma bermuda jeans na Renner mesmo. Nada me agradou e tenho trauma de outras épocas da vida em que comprava roupas maiores e depois não conseguia voltar pro manequim anterior.

Sair das calcinhas P e ir pra G doeu um pouco. E o sutiã agora é 46 taça D com um alargador enorme, e ainda assim, pra respirar, comofaz?

Tive o privilégio de passar um mês grudada na minha avó Tereca, pessoa mais tudo da minha vida inteira. Ela me deu o carrinho do Lucas, a poltrona na qual passarei a maior parte do meu tempo a partir de maio e mais uma porção de coisas que me farão pensar nela o tempo todo quando estiver com ele nos braços. Não tinha noção da importância de ter alguém que é sangue do meu sangue nessa fase, e quando fui deixá-la no aeroporto só consegui entrar no banheiro do Santos Dumont e chorar até desidratar. Porque entrei em contato com sentimentos e lembranças que havia guardado no baú da alma para ter forças para continuar indo em frente. Lucas não terá as avós – e seria tão incrível se ele tivesse a chance de conhece-las – mas terá a bisavó mais maravilhosa que eu poderia dar a ele. Graças a Deus por esse presente lindo que a vida nos deu.

Quanto mais os meses passaram, mais eu percebi a sorte que foi ter tido a chance de esperar para ter um filho mais tarde, com a pessoa mais incrível que o destino fez o favor de guardar pra mim. Muitas vezes olhei para ele à noite após um dos trocentos xixis da madrugada e pensei que não tinha como amar mais, era impossível. Mas aí quando penso que logo vamos trazer ao mundo um mini-nós, e que esse pitico vai ser parecido com ele de inúmeras formas, nossa! Cabe muito mais amor aqui dentro, e se apaixonar pela mesma pessoa todos os dias é tão poético e verdadeiro.

Vou morrer de saudades do barrigão. Esses momentos eu-e-a-barriga à noite, no auge da insônia ou tentando pegar no sono, são TÃO gostosos. Quando ele começa a sambar lá dentro e não para, e falo com ele, que responde com um chute. A barriga mexendo loucamente é uma das melhores partes da gravidez, a mais significativa, engraçada e deliciosa.

Ontem assisti um episódio de Grey’s Anatomy no qual a obstetra disse para a mãe dando à luz: “Quando ele nascer, você nem vai lembrar mais como a vida era antes!“. Será? Anyway, é a sensação que tenho: vai ser antes de Lucas e depois de Lucas.

Num papo animado com meu enteado de 8 anos, eu disse a ele que não sabia se iria amar mais ele, o Pikachu ou o Lucas. O pequeno ficou atucanado e disse “Quer dizer que você vai me amar menos depois?“. Meu sentimento é que vou amar mais e mais todas as pessoas que já amo.

Não fiz e talvez nem faça fotos de gestante. Vou tirando uns selfies no espelho do elevador e é só. Marido diz que devia só andar de top e barriga de fora a partir de agora, mas não me animo. E esses peitos enoooormes, como lidar? Só de pensar em como será quando estiverem vaca leiteira feelings dá medinho. Já ouvi de amigas – e dele também – que meus peitos estão maiores do que a barriga, rsrsrsrs!

No fim das contas, a reta final me permitiu compreender a beleza de gerar uma vida, de ter um mini ser humano dentro de mim e de preparar a alma e o coração para a chegada de um filho. Acho que vai ser a tarefa mais difícil e a aventura mais cansativa e divertida de toda a minha existência.

123 amaram.

Você também poderá gostar

8 Comentários

  • Responder Sheila Falcão 06/03/2018 at 11:58 am

    Poxaaaa queria tanto uma foto da barriguinha! 😍

    • Responder Paula Pfeifer Moreira 06/03/2018 at 12:01 pm

      Tem no instagram @PaulaPfeiferM :**

  • Responder Carmela 06/03/2018 at 12:19 pm

    Que lindo texto, perua!!! Tenho certeza, que está louca pra ouvir o choro do Lucas!!! Heheh! Bjao

  • Responder Aracele de Fatima Ferreira de Melo 06/03/2018 at 1:00 pm

    É maravilhoso ler seus relatos. Contagem regressiva. Beijos.

  • Responder Joissi Flores 06/03/2018 at 1:41 pm

    Oi Paula…fazia tempo q nāo lia teu blog…saudades..como tu estás bonita grávida..parabéns pelo baby…um bj grande.

  • Responder Suzana 06/03/2018 at 7:27 pm

    Faz fotos Paula. Mesmo que poucas, mas fica tão lindo. É uma lembrança linda e vc vai ficar mais linda do que já é. #queremosfotos. Rsrsrs

  • Responder Silvano 06/03/2018 at 7:44 pm

    Acabei de ser vovó… minha primeira netinha. Ela ficou 60 dias na Uti.. O coração que estava apertado de dor, agora está saltitante de tanta alegria. Um amor que parece não caber no coração. Eu desejo que seu parto seja abençoado e que o Lucas chegue com muita, muita saúde! Bjo no coração!

  • Responder Simone Teixeira Donato 12/03/2018 at 10:09 am

    Que legal Adorei!!
    Também estou passando por tudo isso rsrs
    estou com 21 semanas de gravidez.

  • Deixe seu comentário

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.