Dicas de Provence: Aix-en-Provence, Marselha, Cassis…

Um aviso: se você anda com ganas de chutar o pau da barraca e sair a viajar pelo mundo, melhor não ler esse post, porque ele vai te deixar com mais desejo ainda!!! A convidada de hoje é a Natalia Itabayana Junqueira de Mattos, mineira de 29 anos que mora em Aix-en-Provence, onde faz mestrado em psicologia. Ela escreve o delicioso Destino França: Provence – vão lá depois pegar milhões de dicas!


“Nem preciso dizer que me senti super honrada e dei pulinhos de alegria quando fui convidada pela Paula pra escrever sobre a Provence porque não me caso de falar sobre a região onde moro há dois anos e cada dia que passa faço novas descobertas, seja na cidade onde moro, Aix-en-Provence, seja em Marselha, onde estudo, e cada uma tem suas características e lugares a visitar, sem falar nas pequenas cidades da região que são paisagens de cartão postal!

Aix-en-Provence é um nome que vem do latim e significa “águas na Provença”, mas na época romana a cidade chamava-se Aquae Sextius, e isso graças às termas que existem até hoje, e que alimentavam as numerosas fontes, 101 no total, que estão espalhadas por toda a cidade! As fontes tinham a função de fornecer água à população, mas depois da chegada de água diretamente às casas as fontes deixaram aos poucos de serem alimentadas pelas águas termais, à exceção de uma, no Cours Mirabeau, e assumiram uma função decorativa, sendo alimentadas pelo Canal da Provença, onde foram represadas as águas do rio Durance, um dos rios que irrigam a região, sendo o Ródano o principal.

Aix tem uma localização privilegiada : fica à 30km de Marselha, segunda maior cidade francesa, e o aeroporto internacional Marseille Provence fica localizado entre as duas cidades, além de ser acessível também por trem, uma estação fica no centro da cidade e a outra, onde chega o trem rápido, fica à 18km do centro de Aix, com ônibus que fazem o trajeto Aeroporto-Estação de Trem-Centro de Aix em intervalos de 20 minutos, e por 3,60€ do centro até a estação, e 7,20€ se o destino for o aeroporto. Quem quiser vir de Paris percorre a distância de mais de 700km em 3 horas no trem de grande velocidade, o TGV, e aprecia paisagens maravilhosas durante o percurso !

Por ser uma cidade pequena é possível percorrer o centro histórico à pé, saindo da praça da Rotonde Jeanne d’Arc, onde fica a maior fonte da cidade e também o Escritório de Turismo, recomendo passar lá e pegar um mapinha para se orientar. A cidade conta com placas de orientação indicando os pontos turísticos, além de um circuito que segue os passos de Cézanne, pintor impressionista nascido na cidade, onde viveu grande parte de sua vida e onde faleceu, deixando obras que registram as paisagens provençais e a montanha Sainte Victoire, para onde ele caminhava percorrendo uma estrada que hoje leva seu nome, a Route Cézanne. Vale visitar o atelier do artista, que fica na avenida Paul Cézanne, e imaginar como ele trabalhava em meio a vários objetos que compõem o local. Os caminhos feitos por Cézanne com maior frequência são indicados no chão por uma plaquinha dourada gravada com inicial do pintor.

O Cours Mirabeau é principal avenida do centro histórico e nele ficam vários restaurantes charmoso sob a sombra fresca que os plátanos proporcionam na primavera e no verão, e podemos ver mais três fontes : a fonte dos 9 canhões, a fonte de água quente, única ainda alimentada por água termal numa temperatura à 18°, e a fonte do Rei René, que foi protetor das artes, ciências e letras. Seguindo a rua 4 de setembro, que fica perto da fonte de água quente, chega-se à fonte dos 4 golfinhos, que fica na praça de mesmo nome, no cruzamento das ruas Cardinale e 4 de setembro. Subindo a rua Cardinale chega-se à igreja Saint-Jean de Malte, onde pode-se ver um quadro pintado por Delacroix. Ao lado da igreja encontra-se o Museu Granet, que expõe algumas obras de Cézanne, dentre outras. Quem estiver com pouco tempo ou pouca disposição para caminhar é só fazer o passeio de trenzinho, que sai do ínicio do Cours Mirabeau, perto da Rotonde, e percorre os principais pontos turísticos da cidade em 45 minutos o circuito que passa pelo centro, e 55 minutos o circuito que faz o centro e o circuito Cézanne. A tarifa para adulto é 7€, e 3€ para crianças (gratuito para menores de 6 anos).

Outro ponto interessante para visitar no centro é a praça do Hôtel de Ville, a prefeitura, que recebe, às terças, quintas e sábados de manhã a feira das flores, enquanto outros pontos do centro recebem a feira ou mercado onde encontramos legumes, frutas e verduras frescos e da estação, além de  temperos e as famosas ervas provençais, sem falar nos Calissons d’Aix, docinho típico da cidade que tem formato amendoado por ser feito à base desta noz, além de compota de melão e laranja, como também produtos artesanais e o mercado das pulgas. Gosta de azeitonas? Experimente a tapenade, um purê de azeitonas e com um toque de anchovas, ideal para acompanhar torradas em como aperitivo. Essas feiras são imperdíveis, não importa em qual cidade provençal você se encontre, pelo menos em uma feira provençal vale à pena ir! Ainda nas proximidades da praça da prefeitura fica a Catedral de São Salvador e sua construção foi feita entre os séculos V e XVIII, conferindo à obra características góticas, barrocas e romanas. Gosto particularmente do órgão, fotografo em todas as igrejas que visito, e este fica situado dos dois lados da nave central e logo acima dos lugares reservados aos eclesiásticos.

Mas a cidade também tem vida noturna: a rua Verrerie tem alguns restaurantes, mas principalmente bares e fica perto da praça Cardeurs, onde tem vários restaurantes, bem no estilo praça de alimentação. Os bares fecham por volta das 2 horas e depois disso quem quiser esticar a noite pode ir nas boates Scat e Murano, ainda na rua Verrerie, ou Mistral, na rua Frédéric Mistral, além da IPN, no Cours Sextius. E não se espantem se ouvirem o DJ tocar alguma música brasileira!

Onde comer em Aix : perto do Escritório de Turismo, numa praça, fica Les artistes, um restaurante com decoração bem contemporânea, que serve pratos deliciosos e à preços interessantes, o prato do dia saindo em torno de 15€. Meu último pedido por lá foi uma salada com tiras de peito de pato defumado, que é apetitosa e muito bem servida. Outra opção já experimentada é o cordeiro com polenta e molho de mel, delicioso ! Quem viaja com crianças tem a opção do menu infantil, que propõe bife de hamburguer ou nuggets de peixe ou frango acompanhados de batata frita e sai por 8€, com uma bebida inclusa. Uma dica : todo restaurante oferece água gratuitamente, é só pedir a garrafa (carafe d’eau). No Cours Mirabeau tem vários restaurantes que propõem o prato do dia, que é sempre uma ótima opção quando estamos indecisos, à preços bem similares, em torno de 15€. Os pratos típicos da Provence são o Aïoli Provençal, uma maionese de alho que acompanha um bacalhau fresco e legumes cozidos, a Ratatouille, um refogado de cebola, tomates, abobrinha, berinjela e pimentão que acompanha carnes e peixes.

De Aix pra Marselha: a cidade mais antiga da França tem muita história pra contar. Tem as ruínas do porto antigo, que ficam no Jardim dos Vestígios (Jardin des Vestiges) há poucos metros do Porto Velho (Vieux Port), e um dos primeiros bairros da cidade, Le Panier, que tem todas as características de um vilarejo provençal, onde ainda podemos comprar os famosos sabonetes de Marselha, com garantia de que foram 100% fabricados na cidade! Indico a loja 72% Petanque, na rua du Petit Puits, no bairro Le Panier, perto da Catedral dela Majeur, uma igreja em estilo bizantino que fica à beira-mar, perto do porto. O passeio pelo Le Panier também pode ser feito de trenzinho, como o passeio do centro de Aix, assim como a visita à igreja Notre Dame de la Garde, que fica no ponto mais elevado da cidade, de onde podemos apreciar um panorama incrível desta senhora de 26 séculos, além de suas ilhas.

Ainda no coração da cidade, vale aproveitar os dias bonitos pra descobrir as belezas da costa mediterrânea: passeios de barco entre Marselha e Cassis nos permetem apreciar as maravilhosas falésias de calcáreo da região, conhecidas como Calanques, e de quebra podemos ver o mítico Château d’If, que o escritor Alexandre Dumas eternizou em seu romance “O Conde de Monte Cristo”. O castelo é aberto à visitação, mas é bom ficar atento às condições de meteorológicas : nem sempre um dia ensolarado com um céu fortemente azul significa que o acesso é liberado, pois se o vento mistral sopra, os únicos barcos que circulam são os que fazem o transporte dos moradores da ilha de Frioul. O passeio de barco até a ilha d’If é maravilhoso, e ver a cidade de Marselha de longe vale à pena, sem falar que o castelo é muito interessante : além dos prisioneiros reais que por ali passaram, podemos visitar as celas que teriam sido do homem da máscara de ferro (que pode ser vista em Cannes) e do conde de Monte Cristo, fortelecendo os mitos. Outro lugar para visitar perto do centro é o Palácio Longchamps, construído para ser a chegada de água potável à cidade, com uma grande fonte num jardim planejado, e que hoje abriga o Museu de História Natural e o Museu de Belas Artes.

E chega uma hora que precisamos comer, né ! E numa cidade à beira mar, quer lugar melhor pra comer que num barco ? O restaurante Le Marseillois fica num barco no porto, quase em frente ao Hôtel de Ville, e oferece um menu completo (entrada, prato e sobremesa) por cerca de 25€. O serviço é muito bom e a comida também ! Quem não é fã de peixe ou frutos do mar pode optar pelos pratos com carne, igualmente apetitosos ! O prato típico de Marselha chama-se Bouillabaisse, que é um tipo de sopa feita com vários tipos de peixe e mariscos, mas os marselheses que conheço desaconselham comê-lo nos restaurantes que ficam no porto porque acreditam que o prato não seja tão caprichado, e me indicaram o Chez Michel, que fica nos Catalans perto da praia, que tem uma estrela (o máximo são três) pelo Guia Michelin, mas ainda não tive oportunidade de conferir.

Se for de carro à cidade prefira as rotas que passem pela beira-mar, (direção Vieux Port) por um motivo simples : a vista é deslumbrante, e o trecho entre o Porto e os bairros da região sul é muito característico do litoral sul da França, quem for à Marselha e à Nice vai encontrar algumas semelhanças ! E um pouco de paciência se faz necessária, a cidade está com algumas obras, inclusive em torno do porto, que vão durar até o final de 2012, já que em 2013 Marselha será capital da cultura européia. Caso veja placas amarelas, que são indicações provisórias, siga suas indicações, porque o GPS pode nos confundir em alguns cruzamentos.

Saindo pelo sul de Marselha e seguindo pelo litoral chegamos à Cassis, a primeira cidade que visitei depois que cheguei por aqui, ainda no friozinho do início da primavera e que fica à 50km de Aix. E por que Cassis? O poeta provençal Frédéric Mistral, prêmio Nobel de literatura em 1904, explica : “Celui qui a vu Paris et qui n’a pas vu Cassis peut dire… je n’ai rien vu”, ou seja, aquele que viu Paris e não viu Cassis pode dizer que não viu nada, porque não conheceu o sul da França! Nada de areia na praia, mas seixos redondinhos, mas nada que uma toalha mais grossa ou uma boa esteirinha de borracha não resolvam! As calanques podem ser visitadas à pé, com direito a um recompensante mergulho no mar calminho depois de um tempo de caminhada, e o uso de máscara de mergulho é super aconselhável pra apreciar o que a paisagem submarina que o mediterrâneo tem a oferecer!

Saindo do litoral e indo em direção ao interior e em busca de cidades medievais, um lugar que vale a visita é Baux-de-Provence, um vilarejo que situado à cerca de 70km de Aix e que oferece, além das lojinhas provençais e da comida típica da região, uma viagem no tempo medieval, quando armas de sítio eram usadas para vencer a defesa e invadir a cidade. Entre abril e setembro podemos ver essas armas medievais e ainda participar do funcionamento do trabuco, feito pelo público, sem falar na simulação de duelos de espada. As ruínas do castelo permetem ter uma ideia da batalha que aconteceu no lugar, que fica numa das regiões mais bonitas da França, e pertence ao comitê dos mais belos vilarejos do país, hoje cercado por vinícolas e plantações e oliveiras. Um bom lugar para comer é o restauranteLa Reine Jeanne, onde podemos experimentar um delicioso aïoli provençal, e minha sobremesa favorita até hoje, o “craquant au chocolat” (crocante de chocolate). O restaurante tem uma ótima vista para o Vale do Inferno, que inspirou Dante Alighieri em sua descrição do inferno na “Divina Comédia”.

Um pouco mais em direção à Espanha e perto de Toulouse fica a cidade de Carcassonne, que teve sua cidadela medieval inteiramente reconstruída e é parte do patrimônio da Unesco, e cada passo dado pelas ruas estreitas é uma viagem que fazemos no tempo. A cidade não fica exatamente na Provence, mas quem estiver viajando de carro e tiver um tempinho de inclui-la no roteiro, é uma visita que vale à pena ser feita. O castelo também é imperdível e um vídeo nos mostra como teria sido feita sua construção, que ainda esconde alguns segredos dos especialistas, e também conta um pouco da história da cidade, mostrando a incrível capacidade do ser humano de se adaptar às situações mais complicadas, como frio extremo e fome.

Outras cidades que valem à pena ser visitadas na região são Isle-sur-la-Sorgue, tipicamente provençal e com uma feirinha bacana que acontece aos domingos, e Fontaine-de-Vaucluse, onde podemos fazer um agradável passeio de caiaque pelo rio Sorgue, que tem águas cristalinas e sempre à 13° e é onde fica a nascente deste rio.

A cidade de Avignon foi morada dos papas durante quase um século e a visita do palácio é bem interessante, ainda podemos ver a decoração original de alguns cômodos (os únicos que não podem ser fotografados), com azulejos pintados à mão e paredes representando cenas do cotidiano dos religiosos. Perto de Avignon fica Châteauneuf-du-Pape, cidadezinha que produz o vinho que leva o mesmo nome, com vinícolas que oferecem visitas e degustações, um passeio que é interessante pra quem entende e gosta de vinho (no meu caso, não entendo, mas gosto!)

Pra quem gosta de história e arquitetura romanas, Nîmes é um prato cheio : a cidade tem um anfiteatro romano muito bem preservado, onde é feita uma encenação dos jogos romanos, que este ano vai acontecer nos dias 28 e 29 de abril e toma conta da cidade, com desfiles de legionários e lutas de gladiadores, além de atividades para crianças antes dos espetáculos. Vale visitar a Maison Carrée, inspirada nos templos romanos e que fazia parte do fórum, e a Torre Magna, única torre de vigília que restou da muralha que cercava a cidade. Se estiver de carro aproveite para visitar a Ponte du Gard, aqueduto romano do século I que fica próximo à cidade.

Para os religioso, à 36km de Aix fica a Basílica de Maria Madalena, onde um relicário proteje supostos restos da santa. Depois da crucificação de Jesus, ela teria fugido da Palestina de barco, junto com outros discípulos, um deles São Máximo, e chegaram no litoral francês, na cidade de Saintes-Maries -de-la-Mer, no meio da planície provençal de Camargues. De lá, ela teria seguido até a cidade de Saint-Maximin-La-Sainte-Baume, e depois se recolheu em um gruta no massivo da Sainte Baume, onde passou os últimos 30 anos de sua vida. Para chegar à gruta vale pedir indicações no Escritório de Turismo da cidade e ir de carro até o ponto indicado, depois uma caminhada de cerca de 2km subindo uma estrada pouco inclinada nos leva até o lugar e proporciona um belo panorama da região.

E não dá pra falar na Provence sem falar nos campos de lavanda ! Os campos de lavanda que costumamos ver nos cartões postais podem ser vistos entre meados de junho e início de agosto, e o departamento de Alpes de Haute Provence é onde se localiza a maior parte da produção, cerca de 10 mil hectares. Vale ir até o plâteau de Valensole conferir as plantações, e se o dia estiver bonito e com temperaturas agradáveis, o passeio pode ser esticado até o lago de Sainte-Croix e Gorges du Verdon, uma represa artificial de águas incrivelmente azuis onde podemos nadar ou alugar pedalinhos no período entre junho e agosto. Perto do lago fica a charmosa cidade de Moustier-Sainte-Marie, conhecida pelo artesanato de barro (faïence) e também de uma lenda interessante que remonta à época das Cruzadas, que diz que um cruzado habitante da cidade, que tinha sido capturado pelos sarracenos, fez prometeu pendurar uma estrela de metal usando as correntes que o aprisionaram no ponto mais alto da cidade como forma de agradecimento à Virgem Maria. A estrela que hoje pode ser vista data de 1957 e é a décima primeira a a ser pendurada, tendo as outras caído ao longo do tempo. Lendas à parte, a cidade tem todo o charme provençal e também é um dos vilarejos mais bonitos da França !

Espero ter despertado um pouquinho de interesse pelo sul da França e pela Provence, afinal a França não é só Paris (que amo), mas também tem muitas paisagens naturais magníficas que merecem ser conhecidas !”

 Links úteis:

Aeroporto Marseille Provence (internacional) e Vôos low cost
Aix-en-Provence
Marselha
Cassis
Les-Baux-de-Provence
Carcassonne
Isle-sur-la-Sorgue e Fontaine-de-Vaucluse
Avignon
Châteauneuf-du-Pape
Nîmes
Saint-Maximin
Sobre a lavanda
Moustiers-Sainte-Marie
Os mais belos vilarejos da França
Companhia de trem

36 amaram.
Compartilhar:

15 responses to “Dicas de Provence: Aix-en-Provence, Marselha, Cassis…”

  1. 1Sue

    Sensacional!!! :)
    Beijos!

  2. 2maria de matos

    Adorei as dicas e informações, pois vou estar em Aix pela primeira vez durante seis dias e gostaria de aproveitar o que tem de melhor neste pouco espaço de tempo, especialmenteconhecer os campos de lavandas e a indústria L’Occitane. Gostaria de receber informações como fazer para chegar lá. Parabéns´pela matéria!
    Grata,
    Maria

  3. 3Débora M.

    Demais!!!!!!!!

  4. 4Amandinha Botti

    Ameiii!
    Vou viajar a trabalho em junho para Lyon vou ter um final de semana livre e estou pensando em conhecer Marseille e Aix !
    beijos
    amandinha

  5. 5Scheyla

    Amo amo amo este tipo de posts!!

  6. 6Anatê Merger

    Oi Nathalia, que delicia a maneira como descreveu a minha querida Provence. Como eu você se adaptou maravilhosamente bem à essa regiao cheia de sabores e cheiros tao caracteristicos. Moro aqui desde 2004 e nunca me senti tao em casa. Depois de anos de trabalho, agora também ajudo outros brasileiros a descobrirem a Provença com serviços sob-medidas. No http://www.naprovence.com você encontra todos detalhes e quando voltar a ter um tempinho vamos almoçar de novo. Um grande abraço!

  7. 7Maria Zenaide Rodrigues

    Nooooossa..adorei a matéria! Conforme fui lendo, me senti na região da França que mais tenho vontade de conhecer! Claro que adoraria conhecer Paris tb, mas se tivesse que escolher… não teria dúvidas. Mas…Natália, sabe quanto eu gastaria p/ficar uns 15 dias nessa região??? não tenho a menor idéia. Se vc pudesse me ajudar com essas informações mais páticas ($)quem sabe posso realizar meu sonho! Abraços.

  8. 8francine corridoni

    Ola tudo bem adorei as dicas mais ainda me pergunto quantos dias são necessário p percorrer tudo isso ? 14 dias é muito tempo p ficar por ai ?
    Vindo de paris, qual o melhor roteiro a seguir?
    Aguardo abraços

  9. 9FATIMA

    OLA PARABENS PELO BLOG. AS DICAS SAO VALIOSAS.
    GOSTARIA DA DICA DE UM HOTELZINHO CHARMOSO PARA FICAR EM AIX DE PROVENCE.

    ABRAÇOS
    FATIMA

  10. 10Gm.Fernandes

    Conheco o Sul de Franca…Mas este ano visito Aix…&….Marselha.
    Obrigada pelas dicas..
    Abraco
    Gm

  11. 11Mauricio

    Desculpe por nosso jeitinho brasileiro, O Mineirinha, sua informação veio a calhar, pois devo estar em Provence em meados de Julho, e buscava informações da região, iremos dois casais.

  12. 12evandro lara

    Olá, estou indo em outubro e queria saber se chove muito esta época, pois gostaria de fazer uns passeios de bike pela provence. Vou para Aix, depois st. Remy

  13. 13Maria das Graças Garcia Sabino

    Parabéns!!! Adorei as dicas; tudo que eu precisava. Faltando apenas dicas de passeios em vinícolas. Tem alguma sugestão? Irei em setembro. Obrigada.

  14. 14FÁBIO LUÍS BOARATO

    Natalia,

    muito legais as suas dicas!
    Estou planejando uma viajem e, simplesmente… você conseguiu ajudar mesmo!
    Acho que são muito sortudos todos que procuram informações sobre a região e tem a sorte de ler suas dicas.
    As cidades da região deveriam te agradecer, você vai atrair muitos brasileiros para lá!!! k! k! k!

  15. 15Alessandra Martinez

    Minha filha de 16 anos quer aprender frances , estamos pensando en aix en provence, lyon ou montpelier, qual vc recomenda?

Leave a Reply