Remédios para emagrecer: vale a pena?

Várias pessoas enviaram perguntas a respeito do uso de remédios para emagrecer, por isso pedi para a minha nutricionista escrever esse post. Nunca tomei – estamos falando dos tarja preta – e já vi muita gente se gabando de tomar Sibutramina e afins, sem indicação médica. Acho um perigo e não tenho coragem.  No caso de quem não sofre de obesidade severa, que motivo leva a pessoa a arriscar a própria saúde, além de vaidade pura e simples?

**Quem tiver experiência com esse assunto, colabore nos comentários!

“Segundo dados da Anvisa, a população brasileira está entre os países que  lideram o mercado mundial em consumo de anorexígenos. A polêmica em torno desses medicamentos começou no início desse ano, quando a Agência apresentou uma proposta de cancelamento do registro dos mesmos.

Atendendo no consultório percebo que a maioria dos pacientes, em algum momento da vida, já fez uso desses medicamentos - mesmo sem necessidade. Quando digo sem necessidade, é porque são pessoas que  não possuem diagnóstico nutricional de obesidade severa que possa comprometer a saúde e desencadear doenças. Muitas delas não compreendem o processo lento de perda de peso e desejam uma solução rápida. Então, acabam fazendo uso de anorexígenos.

Alguns profissionais da saúde alegam que a luta contra a obesidade será mais difícil sem o uso de medicamentos. Por isso, é preciso mais fiscalização e burocracia na hora de prescrever e comprar. Nada de prescrever sibutramina, por exemplo, para quem nunca fez dieta e precisa perder poucos quilos. Para a Anvisa, aqueles à base de sibutramina, dietilpropiona, femproporex e outros – substâncias que agem no sistema nervoso central - causam mais danos do que benefícios ao paciente.

É preciso ter a indicação e supervisão de um profissional capacitado, até mesmo porque o tratamento para obesidade com medicamentos só é indicado em casos em que o quadro está associado a outras doenças, tais como: diabetes, pressão alta, colesterol elevado e doenças cardiovasculares. Vale lembrar que o tratamento só será satisfatório se for associado à atividade física e reeducação alimentar, pois, caso contrário, o paciente estará sujeito a voltar ao peso com a suspensão do uso.

A sibutramina, que é um dos medicamentos mais conhecidos, age no cérebro, na região do hipotálamo, aumentando os níveis de serotonina e noradrenalina, substâncias que atuam no sistema nervoso central levando ao aumento de saciedade e diminuição do apetite. Os riscos que o medicamento apresenta são em relação à pressão arterial e freqüência cardíaca, principalmente em pacientes que já têm história clínica desses problemas. Os efeitos mais comuns são: sudorese, dor de cabeça, intestino preso, aumento da pressão arterial e freqüência cardíaca. Acompanho o caso de um paciente que tem problemas cardíacos e sem saber (pois não foi informado pelo médico que receitou) iniciou o uso e em poucos dias foi parar no hospital, e só lá foi aconselhado a suspender o uso, pois a causa do mal estar sentido era o uso do medicamento. E outro caso em que a paciente ficou por vários dias com confusão mental devido à utilização sem necessidade.

A promessa de emagrecimento faz com que muitas pessoas usem esse tipo de medicamento sem alterar hábitos errôneos na alimentação. Mas elas desconhecem que a interrupção do uso freqüente do medicamento pode ocasionar a volta do peso antigo, de forma mais rápida, além da presença de irritabilidade, desidratação e sonolência como principais efeitos colaterais.

No dia 24 desse mês, a Folha de São Paulo noticiou  que a Anvisa deve recuar da decisão de proibir todos os remédios para emagrecer. Existem rumores de que a mesma já possui em mãos parecer técnico que retira alguns derivados anfetamínicos do mercado, mas que a sibutramina continua a ser vendida com controle mais rígido, como assinatura de termo de responsabilidade pelo médico e pelo paciente  –  dizendo que recebeu todos as informações sobre risco de utilizar a substância. Só nos resta aguardar as próximas notícias.

Lembre-se que a mudança nos hábitos alimentares é a chave para a manutenção do peso. Defina metas para perda de peso com seu nutricionista, pois isso também pode ser um bom caminho.”

Maria Eduarda M. Waihrich
Nutricionista CRN 9523/Especialista em Nutrição Clínica e Estética
55 3026.6678 / mariaeduardamw@gmail.com
Centro Clínico – Rua Duque de Caxias, 1668 – Sala 502 A Santa Maria, RS

PS: As leitoras de Santa Maria ganham um desconto de 25% no valor da consulta. Basta entrar em contato com a Maria Eduarda.

Seja o primeiro a amar.
Compartilhar:

38 responses to “Remédios para emagrecer: vale a pena?”

  1. 1Deinha Rocha

    Acho que vale mais uma vida saudável, visando um controle com médicos e dietas no dia a dia. Pois medicamentos só compromete o organismo, sistema nervoso, o namoro (verdade! quem tolera namorada bipolar?) e o cérebro.

    !Xo!
    http://www.sofashionist.blogspot.com

  2. 2Julia

    Oi Paulinha.
    Bom, eu já fiz tratamento com o endócrino há alguns anos, ele me receitou sibutramina e emagreci de forma fácil, mas… Como nem tudo são flores, ao parar a medicação engordei o dobro que havia perdido e hoje, como você sabe tô penando para emagrecer.

    Beijos.

    1. 3Andreza A A

      Eu vivi o mesmo drama.

      Tomei sibutramina um mês antes de casar e paguei um alto preço para emagrecer 4 ou 5 quilos> dores terríveis de cabeça, insônia, taquicardia, irritabilidade.
      Nesta época uma amiga morreu de arritmia causada pelo medicamento. Me assustei e parei.

      Porém, nos meses seguintes ganhei aproximadamente 10 quilos, o dobro do que perdi.

      Isso aconteceu há dois anos e ainda não me recuperei. Não indico remédios pra emagrecer sob hipótese alguma!!

  3. 4Débora Porto

    Oi Paula…
    Em Outubro agora, vai fazer um ano que começei um tratamento com sibutramina, emagreci 13 Kg…não tomo o remédio ja fazem 4 meses e estou normal…
    não engordei mais só que claro, a vontade de comer tudo o que ve pela frente é monstra, mas agente tem que aprender a se controlar né….
    Quando tomava o remédio não sentia fome, comia prq precisava mesmo…mas aprendi a comer bem menos do que comia antes.
    Agora é só manter.
    Quanto aos efeitos eu ficava bem mais irritada mesmo, sentia a boca seca…mas agora ta tudo bem…
    To super Feliz…

  4. 5Cláudia Jabour

    Oi Paula!

    Gostaria de sugerir uma continuação deste post… eu tenho a mesma opnião e o mesmo medo que você para estes remédios!
    Mas uso herbalife e me sinto muitooo bem! porém a maioria dos médicos é “contra”.
    Nunca ouvi um argumento sobre e acho que é do interesse de bastante gente saber por que os produtos são temidos pelos doutores… afinal hj em dia a herbalife está por toda parte né?
    (serve tbm para a forever… shakes de farmácia etc…)

    Bjo

  5. 7Bruna

    Não vale a pena, eu ja usei sibutramina e femproporex, ambos me deram mto mais efeitos colaterais do que emagreceram, passei mto mal, mudei totalmente de humor, entre outros efeitos horriveis, e toda vez q parava engordava o dobro. Agora faço acompanhamento com uma nutricionista, não tomo remedio, já consegui emagrecer 12 kg sem passar mal nem fome :P … Para emagrecer basta comer certo e se exercitar, nada de remedio !!! bjos

  6. 8candida

    Tenho uma amiga,que faz uso ..sibutramina,quando faz o intervalo volta tudo de novo…efeito sanfona . O ideal é malhar e alimentação Outra amiga,passou mal no cinema,desmaiou….o namorado….desistiu dela…..bipolar,sempre nervosa,passando mal….bjo

  7. 9Ellen

    Oi Paula
    eu já tomei sibutramina, femproporex, anfepramona, e até remédios que não sei o que era, pois atravessava a fronteira em busca de um milagre. Emagreci sim, mas hoje, 5 anos depois, tenho mais peso que na época que comecei a usá-los e me surprendi com a pressão variando entre 16/10 e 18/11. Tenho 29 anos e estou dependente dos remédios para pressão. Não vale a pena tomar estas drogas não, os efeitos vêm com o tempo. Beijos.

  8. 10Naile

    Olá, Paula!
    Gosto muito do teu blog, não consigo acompanhá-lo diariamente por conta dos compromissos, mas sempre que posso, nas minhas horas de folga, passo aqui para ler as novidades. Estava numa dessas horas quando cheguei a este post. Bem, sou profissional da saúde e muito se comenta sobre a questão da retirada do mercado da sibutramina. Creio que vários fatores devem ser analisados… Primeiro fato é que não existe medicação milagrosa para emagrecer. Até hoje não surgiu nenhum fármaco que aliasse perda de peso duradoura, sem efeitos colaterais. Emagrecer demanda esforço, mudanças de hábitos alimentares e de vida – deixar de ser sedentário, melhorar escolha de alimentos, etc – assuntos muito bem tratados no blog. Todos os fármacos existentes atualmente no mercado são taxativos no que se refere a serem um auxílio no início do programa de perda de peso, principalmente para obesos, mas que de nada serviram se a pessoa não adotar mudanças de hábitos. Todos os ensaios clínicos da sibutramina (como se chamam os estudos que testam medicamentos) não demonstraram manutenção do peso a longo prazo, se o usuário não seguiu com a reeducação alimentar. Mas o objetivo não é mesmo esse – uma medicação que faça a pessoa ser magra para sempre, o objetivo é facilitar o processo de aquisição de novos hábitos saudáveis. Outro dado importante a respeito do perfil de efeitos colaterais da sibutramina, é que, por ser um inibidor da recaptação de serotonina/noradrenalina, ela pode aumentar pressão arterial e frequência cardíaca, fato conhecido desde seu uso como antidepressivo, inicialmente. Todos os médicos são orientados a avaliar o risco dos seus pacientes quanto ao uso da sibutramina, por esse motivo. Sempre constou na sua bula que não deveria ser usada em pacientes de alto risco cardiovascular (medidos por cálculos). A proibição do seu uso na Europa decorre exatamente desses efeitos colaterais, pois como o público alvo – obesos – tem maiores taxas de doença cardiovascular, a agência reguladora de saúde de lá, solicitou a criação de um estudo que avaliasse maior ocorrencia ou não de doenças do coração em quem usava sibutramina e tinha risco cardíaco elevado PREVIAMENTE conhecido. O que se confirmou. A própria agência reguladora de saúde relatou que a população do estudo ernão teria indicação de uso (justamente por ter doença cardíaca), porém acreditou ser melhor retirar do mercado a sibutramina por julgar os riscos maiores que os benefícios, tendo em vista a perda de peso não duradoura e o potencial de agravar doenças cardíacas, em quem já as tem, ou tem risco alto de desenvolvê-las.
    Ao meu ver, todo o problema em relação ao uso da sibutramina é que grande parte das pessoas que já usaram a droga, usaram sem prescrição médica devida, sem real indicação, na esperança de uma perda de peso milagrosa, ”para o final de semana que vem, que vou ser madrinha de casamento” – ou algo do tipo. Existem N drogas no mercado com efeitos colaterais muito mais sérios do que esses, porém toda medicação de amplo uso tem mais facilmente exposto seu perfil de efeitos adversos. E somando: consumo de medicação sem prescrição/acompanhamento médico + efeitos adversos importantes em quem tem fatores de risco para doenças cardiovasculares (e que talvez nem saiba disso, porque não consultou um profissional!) + falsa ideia de emagrecimento rápido + ausência de mudanças de hábitos de vida, a sibutramina se tornou uma grande roubada.
    O quão vilã ela é, ainda tem estudos em andamento para nos responder. Mas com certeza, o maior vilão ainda que ela, são os maus hábitos alimentares, o sedentarismo, preocupação excessiva com a beleza em detrimento da saúde…
    Ah, finalizando: preocupam também as medicações disfarçadas de suplementos, mas que podem causar esses mesmos efeitos, por aumentar o metabolismo do corpo, e não tem vigilância nenhuma, nem controle de prescrição…

  9. 12Renata Ferreira

    ahhhhhhhhhh, muito bem! adorei o assunto.. ;)

  10. 13Leticia Daudt

    não vale a pena…solução rápida mas não definitiva…bjosss

  11. 14Tatiane Melo

    Querem ter o corpo que sempre sonharam e qualidade de vida? Pratiquem o SwáSthya Yôga do Mestre DeRose. Fica a dica. Beijos

  12. 15Alinne Andrade

    Já tomei há 3 anos atrás, pesava 58kg e queria ficar com 50 que é o peso ideal pra mim, meu tratamento durou 7 meses, mudei minha alimentação e me mantive magra até alguns meses atrás quando iniciei tratamento contra ansiedade o que me fez recuperar o peso e subir pros 60kg. Vou retomar meu tratamento pra perder peso de novo, sou a favor, me alimento de maneira saudável e tenho dificuldade de perder peso, pra emagrecer só se eu para de comer. Nem preciso dizer que sou a favor, mas com acompanhamento médico sempre!

  13. 16Camila K.

    E alguns médicos receitam os remédios também, de forma negligente.

    Uma colega de trabalho estava nervosa, com ansiedade e um clinico geral receitou Prozac, para dar uma “acalmadinha”. Nem 5 minutos de consulta.

    Prozac é Aspirina? Oi?

    Para dar uma “acalmadinha” você receita um psicotrópico que demora de 20 a 25 dias para agir efetivamente? Que um psiquiatra depois de uma longa conversa determinará com toda a cautela qual o melhor tipo de tratamento a ser realizado?

    Quanto aos anorexígenos temos que pensar que existem pessoas que REALMENTE PRECISAM deste medicamento para viver, e não para ficar magrinha pro casório da semana que vem.

    Pacientes com COMPULSÃO ALIMENTAR SEVERA, pacientes que para realizar uma gastroplastia, por exemplo, precisam perder muito peso – para a realização da cirurgia com maior segurança, OBESOS MÓRBIDOS e além de outras circunstâncias.

    Trabalho com Vigilância Sanitária e precisamos ampliar e muito, este debate.

    Beijos Paula, te adoro forever!

  14. 17Marcella

    Adorei o assunto, e acho que posso falar com propriedade dele. Há 3 anos atrás, engordei 9 quilos e estava desesperada, me sentindo uó. Procurei um endócrino que me receitou sibutramina e fluoxetina, já que, grande parte do meu problema com a comida se devia a minha ansiedade (mas é ansiedade meeeesmo, dessas que você passa mal, não consegue nem respirar). Emagreci 10 kgs, aliando dieta, caminhada e drenagem linfática 3x por semana. No meio do processo (mas já bastante satisfeita, confesso) engravidei da minha segunda filha. Durante a gestação, engordei horrores e meu peso subiu para 70kg!!!
    Achei que perder todo aquele peso fosse fácil, afinal, na primeira gravidez 20 dias depois do parto eu já usava calça jeans 36 e as mesmas blusinhas P. Ledo engano, há um mês atrás, minha filha com 2 anos e 3 meses, eu não só não tinha perdido os quilos da gravidez, como ainda estava mais 2 kg, ou seja, 72kg!! Detalhe, só tenho 1,60.
    Resolvi procurar o mesmo médico, e comecei novamente o tratamento com ele. O sobrepeso estava destruindo minha auto estima e afetando inclusive o meu casamento. Estou tomando sibutramina, fluoxetina, faseolamina, pholia magra, orlistat (o famoso Xenical), fazendo a dieta religiosamente (mesmo nos finais de semana), praticando boxe 3 x por semana, além de acupuntura para a minha bendita ansiedade. A única coisa que não consegui fazer dessa vez foram as drenagens. Estou completando hoje 20 dias de tratamento, sei que já perdi alguma coisa (td mundo comentando), as roupas estão ficando folgadas, e isso me anima bastante para continuar e atingir a minha meta que são de 18kg a menos na balança.
    Maaaass, vem o outro lado, remédio é para ser receitado e acompanhado por MÉDICO. Antes de indicar sibutramina, fiz uma bateria de exames! Tomar sibutramina por conta própria é tão perigoso quanto se medicar com antibióticos (prática bem comum aqui na Brasil antes ontem né?).
    E concluindo, já que o comentário tá gigante e é capaz de ninguém ler, o mais importante é a reeducação alimentar e atividade física, só isso nos tornará magras de verdade. De corpo e de alma.

  15. 18Ma Amorim - Blog Tips and Trends

    Muitoo bom o post!!!!
    Utilizar de medicamentos desse novel nunca será vantagem, pois uma hora ou outra , terão efeitos colaterais!1beijos
    Ma Amorim – Blog Tips and Trends
    http://blogtipsandtrends.blogspot.com/
    twitter: @_TipsandTrends

  16. 19Louise Sena

    Nunca tomei remédio para emagrecer, e depois de acompanhar durante cerca de um ano uma clínica de tratamento para obesos mórbidos, aí que não tomo mesmo. A gente tá sempre 2 ou 5kg acima do peso e vai apelar para um remédio que essa clínica super famosa (médicos hiper renomados) não receita, mesmo a pessoa pesando 230kg, é porque algum problema tem, né?

    Nessa clínica, eles acreditam que apesar de todos os riscos que os pacientes estão correndo com o sobrepeso, é preferível não utilizar desses medicamentos devido ao efeito colateral e também porque a maioria dos obesos mórbidos são viciados em comida (comem os sentimentos) e como o remédio trabalha moderando/inibindo o apetite não adianta, visto que cortando o remédio ele vai se entupir de comida de novo…

    Em 6 meses de dieta e exercícios físicos, esses pacientes, antes obesos mórbidos atingem o estado de gordinhos, e depois é só alegria. Ah, e muitos poucos necessitam de cirurgias plásticas para retirar o excesso de pele, porque emagrecem paulatinamente já fortalecendo os músculos e ficando tonificados…Então se uma pessoa de 230kg não toma sibutramina ou afins para emagrecer porque irei eu?

    ;)

  17. 20Luciana Junqueira

    Eu já tomei remédio para emagrecer durante 3 ou 4 anos (há muitos anos atrás) e a minha aprendizagem foi a seguinte: a primeira vez que se toma remédio para emagrecer, o efeito é excelente (não estou falando de efeitos colaterais, mas efeito no emagrecimento). Lembro o primeiro ano que tomei e emagreci 25kg em 10 meses. Quando se interrompe e não há nenhum programa de manutenção instalado (exercício e dieta), a fome volta e, automaticamente, voltam os quilos.

    Não acredito que o remédio provoque o ganho de peso em excesso (ou mais rapidamente) depois do término do uso. Acho que o ganho de peso é um processo de defesa do organismo (e não importa como e quanto emagrecemos, se engordamos de novo sempre engordaremos a mais – com ou sem remédio).

    A segunda, terceira e quarta vezes que tentei o remédio (diferentes tipos), não funcionou! Por mais que eu tentasse, não emagreci quase nada! Então a MINHA conclusão é: se for tomar, tenha consciência que só funcionará da primeira vez, portanto faça a primeira vez valer a pena! Tome, faça uma re-educação alimentar e tenha um PLANO de manutenção (com alimentação correta e exercícios físicos), porque senão não adianta tentar de novo, não vai funcionar (pelo menos comigo foi assim).

    Acho que não somos ninguém para julgar quem toma remédio. Os efeitos colaterais são muitos e perigosos sim, mas acho que no final a decisão é de cada um. Precisamos apenas ter um acompanhamento médico bom e confiável e estabelecer metas e planos de manutenção, porque no final das contas é isso que vale de verdade (o remédio é apenas um empurrãozinho inicial, mas o objetivo deve ser sempre mudar hábitos alimentares e exercitar-se com frequência, como sempre)!

  18. 21Naile

    Paula, essas substâncias, exatamente por não serem ”medicações”, não tem estudos elaborados demonstrando seus efeitos. Esse da sibutramina, foi um estudo controlado, vigiado por uma entidade de alta credibilidade, com seus resultados avaliados por método estatístico.
    Portanto, essa observação decorre muito mais da experiência do dia a dia – suplementos, l-carnitina, compostos que aumentam a biodisponibilidade serotonina, cápsulas de vegetais – todos esses por sua ação termogênica ou lipolítica podem, em algumas pessoas (como a sibutramina), causar aumentos de FC e pressão arterial.
    Além disso, muitos, ao tomarem fármacos ”fitoterápicos”, acham que estão tomando quase um chá, o que não é verdade. Eles podem interferir no organismo tanto quanto medicação alopática, até mesmo na parte da coagulação sanguínea.
    Pode ter muita gente enchendo a boca pra falar mal da sibutramina, mas mal sabe o que toma – simplesmente porque não é uma medicação controlada!
    Ah, sim – sem contar a picaretagem, que alguns médicos maus profissionais fazem, de prescrever levotiroxina (hormônio da tireioide), para emagrecer!

  19. 24Adeline Sales

    Oi!
    Adorei o post.
    Sou obesa e tenho compulsão alimentar. Já fiz várias dietas, tomei sibutramina e confesso que foi o pior tratamento que já fiz na vida! Tive prisão de ventre severa, não conseguia dormir e sentia meu coração acelerado o tempo inteiro. Consultei a médica e sabe o que ela fez? Me deu mais remédio!! Diazepan pra dormir e Tamarine pra prisão de ventre. Desisti desse tratamento!!!
    Atualmente, tomo fluoxetina (Prozac) pra ansiedade, faço terapia, acompanhamento com o nutricionista e exercícios na academia. No meu caso, a fluoxetina ajuda muito a diminuir a ansiedade, mas eu acho que a terapia também é fundamental.
    Como sugestão pra um próximo post, você podia pedir pra sua nutricionista falar sobre os “remédios” naturais, tipo, chá verde, quitosana, entre outros.

  20. 25Camila K.

    Gurias,

    Só pra deixar um pouco mais claro:

    Anorexígenos: fempropex, dietilpropiona e outros;

    Serotoninérgicos: sertralina, fluoxetina, sibutramina.

    Estes remédios agem na noradrenalina, no hipotálamo, na serotonina. Cada um de um jeito.

    Cada paciente é um só.

    Médicos seguem linhas, condutas diferentes. Uns mais radicais, outros não.

    Na minha opinião, de tudo que li, vi e sei:

    Obesidade é DOENÇA. Doença que deve ser tratada no mínimo por 2 anos depois da perda desejada do peso.

    Mulherada vai no médico e toma remédio.

    Emagrece.

    Faz o tratamento toda feliz até o fim (o fim: peder o peso desejado).

    Fica linda e cabe no 38, toda faceira.

    Larga o tratamento, do nada. De um dia pro outro, não toma os remédios.

    Engorda. A culpa é dos remédios???

    O tratamento para obesidade não termina quando você emagrece. Na minha humilde opinião, é o começo.

    Médicos competentes vão realizar um monitoramento pós perca. É o momento mais delicado. Neste período, dependendo da situação, é realizado com medicamentos também.

    Você deixou de ser ansiosa por quê emagreceu? Deixou de ter compulsão alimentar? Deixou de extravazar sentimentos na comida? Tua estima estará sempre lá nas alturas?

    Isso demora. Nosso corpo tem memória. Ele registra tudo. Ele sabe que até pouco tempo você estava com um peso maior. Ele precisa de um tempo para apagar esta memória.

    É muito delicado. São muitos aspectos a serem analisados.

    Minha opinião gurias. Nada pessoal (ou totalmente pessoal, já que realizo um longo tratamento e sei o quanto é difícil)!!

    Beijos!

  21. 26Ana

    Sou farmacêutica e era bem gordinha. Constatada com obesidade grau I, após vários exames comecei o uso de sibutramina e digo com propriedade que não houve riscos pois a situação foi previamente analisada. Sibutramina e demais anorexígenos oferecem sim riscos, mas para pessoas com predisposição para problemas cardíacos. Se há um controle tanto da parte médica quanto farmacêutica, não vejo porque retirar remédios que até então tem feito muitas pessoas saírem da “área de risco” para problemas desencadeados pela obesidade. “Ah, eu tomei por tanto tempo e depois engordei o dobro” – depoimento típico daquelas que acham que o remédio por si só vai milagrosamente mudar o pensamento da pessoa. Não, ele vai saciar a fome, você vai comer menos e consequentemente vai emagrecer. Não adianta nada você não aliar exercício físico e depois de interromper o uso voltar a pensar como “gordinha”. Você precisa se reeducar, e o remédio serve como aliado para isso. Sou a favor do uso racional de medicamentos, e acho que essa questão dos anorexígenos se encaixa muito bem nisso: o médico avalia o paciente, faz exames e se assim não houver problemas, receita.

  22. 27Paula Narvaez

    já tomei anfepramona + fluoxetiva, subutramina (n funcionou), efedrina e Desobesi (funcionava) mas sinceramente nao recomendo nenhum deles. minha dica e fazer exercícios, é péssimo ficar dependente dessas porcarias.

  23. 28Paula Narvaez

    ops, fluoxetina

  24. 29Leticia

    Oi Paula!
    Eu fui atleta com 1,64m, 57kg e 11% de gordura. Magérrima.
    5 anos depois que parei com o esporte comecei a engordar muito.
    Quando atingi 67kg, reduzi a quantidade de alimentos para um terço e nem assim emagrecia. Assim cheguei aos 72kg. Procurei uma endocrinologista e após consultas e exames chegamos a conclusão que o alto stress que eu estava tendo, alterava os níveis de açúcar e por isso eu engordava muito. Quase como um diabetes.
    Ela me receitou Sibutramina e foi muito clara que o tratamento deveria ser acompanhado por um psicologo. Não procurei o psicologo. Emagreci 11kg em um mês. No segundo mês deixei de ser uma pessoa normal e divertida para ser mal humorada, irritada e extremamente depressiva. Perdi até o namorado. Tive que parar a Sibutramina e procurar um psiquiatra para me acompanhar durante um ano inteirinho.
    Descobri que entre a causa de muitas mulheres tentarem o suicídio por depressão está o uso de medicamentos para emagrecer como a Sibutramina. O que aconteceu comigo, aconteceu com duas amigas que também tomaram. As pessoas não contam. Mas quando aconteceu o meu problema comecei a descobrir que eu não era a única.
    Detesto dietas. Nunca consigo acompanhar. A quantidade de alimentos é tão pequena que em poucos dias qualquer um desiste.
    Atualmente voltei a fazer exercícios duas vezes por semana o que ainda é pouco mas é um começo. Estudei bastante sobre o que engorda, o que emagrece, o que tem baixo índice glicêmico (ajuda no metabolismo do açúcar para que não “vire gordura”). Resolvi mudar a minha alimentação da seguinte forma:
    3 refeições diárias intercaladas com 2 lanches e uma xícara de leite antes de dormir para não sentir fome.
    O almoço e a janta são servidos onde metade do prato é servido com legumes e verduras; um quarto de carnes e um quarto de carboidratos. A comida não pode cobrir as bordas do prato.
    Assim você como tudo que gosta em pequenas porções e não come demais.
    Só com isso eu já emagreci 5kg.
    Fica ai a dica do prato!
    Beijocas e não esqueçam… medicamentos para emagrecer fazem muito mal à saúde.

  25. 30Paula

    Oi Paula

    Hojje foi a primeira vez que vi seu blog, imagine por que????
    Bem eu ja tomei remedio para emagrecer femproporex e quer saber ameeeeeeei.
    Antes que me chame de louca vou explicar luto com sobrepeso uma vida ,minha familia toda é obesa por ex meus irmaos tem 120k ,entao por ai voce percebe que minha genetica não ajuda para completar tive endometriose tomei muito hormonio ate fazer histerequitomia total ai passei a fazer reposiçao hormonal ,sem contar que minha vida é uma montanha russa sou a mais nova ,todos os problemas da familia me abalam ,perdi mae aos 3anos ,perdi pai ,irmao nao, tive filhos meu marido é depressivo tentou suicidio….. enfim muita muita ansiedades!!!!
    fiz academia musculação e aerobica 5 vezes na semana mas sentia muita fome não emagreci nada , fiz tratamento com homeopata gastei horrores com medicamentos naturais tomei triptofano foi a mesma coisa que tomar agua, tento comer o mais natural possivel alias não como carne desde pequena não gosto.Mas mesmo assim continuo obesa reeducaçao alimentar você aguenta uma semana duas ai você pesa vê que emagreceu 1k É de CHORAR!!!
    Tomei todos os chas possiveis e imaginaveis ,comi muita raçao humana, shakes etc
    AI o que se vai fazer ,apelar para os anfetaminicos da vida ja fiz tratamento com ele algumas vezes quando emagreço um pouco paro nunca tomei mais que 2mese então nao acho que no meu caso cause dependencia outro grande bendficio no meu caso deste remedio é que eu sinto um sono da morte so penso em dormir com ele sou outra pessoa logico ele e estimulante , ai eu faço ginastica ,trabalho enfim VIVO!
    As pessoas com metabolismo bom ,como o do meu marido não tem ideia o que uma pessoa gorda passa ,logico que existe e eu conheço pessoas que tomam remedio e comem uma pizza ai já é outra conversa ,mas no meu caso ele diminui minha fome e me da vigor então para mim ele é ótimo.
    A vocês magras um conselho se me permitem AJOELHEM E AGRADEÇAM !!!!
    Eu enquanto gorda não saio nem de casa.

  26. 31claudia

    EU TOMO SUBTRAMINA A UNS 20 ANOS. MAS EU NAO TOMO DE MANEIRA CONTINUA. TOMEI UMAS VEZ 7 MESES EMAGRECI UNS 9 KG , FIQUEI LINDA E DUROU 3 ANOS. ENGORDEI DAI TOMEI DE NOVO EMAGRECI TUDO DE NOVO DUROU MAIS UNS 5 ANOS. DAI ENGORDEI DE NOVO E TOMEI ….. E ASSIM VAI… NUNCA TIVE NENHUM PROBLEMA EM TOMAR SUBTRAMINA , O UNICO EFEITO COLATERAL É A BOCA SECA NOS PRIMEIROS MESES.
    PRECISO TOMAR DE NOVO MAS AGORA Q TA CONTROLADO NAO ACHO TEMPO PRA IR NESSES MEDICOS SO PRA PEGAR UMA RECEITA… COMPLICARAM A MINHA VIDA.

  27. 32viviane dias

    ola olha depois da minha primeira gravidez engordei 27 kilos cheguei a pesar 87 kilos ai foi onde estava muito desanimada da vida ia em uma loja olhava aquelas roupas lindas mas so tinha numeracao pequena e acaba naum comprando nada tava como c tivece uns 50 anos e ainda tinha 20 anos fazia academia m dava mas fom doque tinha e naum concegui perde nenhum kilo ai foi ond resolvi procura um medico q a minha prima ja tinha ido e tinha obtido efeitos otimos depos de tres anos ela ainda esta no mesmo peso entaum fui e agora depois d cinco meses ja perdi 15 kilos estou com a minha alto estima muito melhor me sinto mas bela ja compro as roupas q antes naum podia compra so olhava e nunca senti nada ruim naum pelo comtrario sinto alegria e menas fome naum sinto aquela sencao d sempre comendo e ainda esta com fome caminho bebo agua me alimento super bem sei q ainda falta um longo caminho pra chega la ainda quero perd mas quatro numeros em minhas rolpas mas sei q hoje tenho forca d vontade e vou atingir minha meta sim pq este remedio pra mim foi a melhor cpoisa q me aconteceu pq nada mas adiantava

  28. 33Sandra

    Eu tenho a mesma opnião de varios comentarios, comprimidos para emagrecer devem ser acompanhados de uma dieta e exercicio fisico!

  29. 34Tereza Teles

    Oi eu tenho 35 anos e estou asima do poso e mim encinaro tomar sibutramina,eu estou disposta a tomar .

  30. 35luiz

    oi tenho 25 anos e estou asima do poso e mim encinaro tomar sibutramina,eu estou dispoto a tomar .

  31. 36Lisiane

    Pessoal comecei a tomar Fluoxetina e agora o médico me receitou Sibutramina. Ainda não tive muitos efeitos colaterais além de boca seca, porém quando foi receitado o mesmo deixou claro que o remédio não era milagroso. Receitou pois fiz uma bateria de exames e ele percebeu que não tenho nenhum problema cardíaco e nem de pressão. O mesmo disse que o remédio só serve mesmo para pessoa que tem o IMC acima de 30 ( li isso na bula também) e que é um remédio de apoio para perda de peso, pois faz com que diminua o apetite facilitando uma reeducação alimentar sem aquela sensação de estar “passando fome”. O mesmo deixou claro que o objetivo e primeiramente diminuir o meu Imc para menos de 30 pois já estou na faixa de obesidade (34), e ajudar na reeducação. Recomendou que eu comece também aos poucos a fazer atividades fisicas. O que digo é que nada é milagroso e qualquer remédio sem prescrição médica é perigoso, porém fazendo os acompanhamentos necessários, usando a consciência que o mesmo é somente um auxílio e quem deve mudar é nos mesmos, acho válido.

  32. 37Luciana

    Minha opinião:
    o caminho mais fácil nem sempre é o melhor..
    Sempre fui gordinha e sofri muuuito com a balança. Tinha vontade de tomar remédio porque sempre saia da linha nas dietas… Mas tenho uma irmã nutricionista e uma mãe super natureba que nunca me deixou chegar perto de remédios para emagrecer. Minha endocrinologista, que me acompanha no tratamento do hipotiroidismo (mais uma dificuldade para emagrecer…) também sempre me encaminhou para o caminho das dietas, mas nunca havia dado certo.
    Até que cheguei nos 3 digitos na balança… Ter 103kg aos 19 anos me assustou e muito e resolvi procurar uma nutricionista e fazer a ÚNICA COISA que realmente emagrece sem prejudicar a saúde: REEDUCAÇÃO ALIMENTAR.
    Fazem 6 meses que estou em dieta com acompanhamento de nutricionista. Reduzi as quantidades e principalmente MUDEI MINHA MENTE sobre alimentação. E sem dúvidas foi a minha nova maneira de pensar, alida a muita força de vontade, que me fez perder 28kg nesse tempo, mais do que vi em muitos relatos de quem toma remédios… E sem muito sofrimento, tenho “direito” a duas refeições livres na semana, e no restante como sem nenhuma restriçãoa absura e nem passo fome. Também inclui uma rotina de exercicios à minha rotina, o que melhorou muito meu preparo físico e minha saúde.
    Saí dos 103kg para os 76kg em 6 MESES sem NENHUM remédio e ainda vou chegar aos 68!!
    Essa é a minha opinião e a prova de quem quer consegue chegar lá, sem precisar de remédios e substancias que só devem ser usadas em casos de EXTREMA obesidade…
    Não prejudiquem a saúde, mesmo se tiver acompanhamento médico.. porque o que mais tem por ai é médico receitando remédio para quem não precisa apenas para ganhar dinheiro e mais clientes.
    REEDUQUEM A ALIMENTAÇÃO, É O MELHOR CAMINHO!

  33. 38Marcelia

    Olá a meninas… (engraçado como todos os depoimentos são de mulheres né???rsss… problema recorrente feminino…)
    Li todos os depoimentos, experiências e que enriquecedor foi estar aqui…quase uma terapia em grupo…rssss…
    Porém, alguns desses escritos me chamaram muito a atenção quando mencionaram a medicação aliada a reeducação alimentar, quantidade de alimentos ingeridos e a importância dos exercícios físicos… mas o que mais me marcou foi o comentário que enfatizou a necessidade do acompanhamento contínuo após a perda de peso. Sim… essa é uma decisão que NECESSITA ser tomada. Estou obesa em processo de reeducação alimentar e, no momento fazendo uso de subtramina que pretendo parar de ingerir no próximo mês. Ñ quero depender de medicamento, quero emagrecer e me mante magra. Entendi que o retorno de tudo é de fato o que vc faz, come ou deixa de comer e um acompanhamento nutricional pode dar pistas sobre quando e o qto poderemos sair da dieta sem perder a linha e voltar a ganhar peso. Saber que somos seres sociáveis e necessitamos de um convívio que prioriza a comida como parte do entretenimento e isso faz de nós pessoas que precisam constantemente de processos de manutenção e/ou reabilitação. Ao contrário do álcool e outras drogas ilícitas, a comida é algo necessário para nossa sobrevivência e sabermos lidar com esse processo, quando se há facilidade para engordar, talvez seja a grande chave de nossas questões. Comer é preciso, fundamental, mas necessita sim de reflexão. Nunca é uma decisão fácil a ser tomada e temo muito por mais um fracasso, afinal de contas, já cheguei inúmeras vezes muito perto do meu peso ideal e caí em tentação recuperando tudo ou mais diversas vezes. Falo com propriedade, como possivelmente todas ou muitas de vcs, pois sabemos que nada é fácil. A tomada de decisões e a manunteção delas é um processos duro que requer de cada um decobrir suas formas interiores de sabotagem. Além da reeducação alimentar e do controle da quantidade de comida, tomei algumas medidas como: ñ ver programas sobre receitas culinárias, jogar fora roupas que começaram a ficar largas depois da perda de peso pois não posso ter a intenção de voltar a usá-las e ñ quero recuperar nada… comer o quanto precisamos e não o quanto queremos (tarefa super difícil), não frequentar rodízios (caso precise ir a um, opte por algum que possua tbm refeições a kilo pois rodízios sempre enfatizam a necessidade de comer absurdamente, até ñ poder mais…) e claro, sem julgamentos: emagrecer de forma consciente e com alimentação saudável, refletindo sobre nossas necessidades físicas e emocionais. Isto pode fazer uma grande diferença no que se refere a observar se vc está bem ou ñ, fator geralmente vinculado ao ganho proporcional de peso e que serve como um ótimo indicador sobre como estamos. No mais, muita força e fé para alcançarmos todos os nossos objetivos, sempre, de forma contínua. Beijos a todoas!!Adorei o blog.

Leave a Reply